• F9fb45c18d8bfc00
  • 117370fc98312d4c
  • 5b7ad8a92a7264b8
25 de Outubro de 2020

Icone show economia negociosEconomia & Negócios

Edição: Hugo Julião
17:49
22/07/2020

Máscaras chinesas vendidas no Brasil podem ser fruto de trabalho forçado de minorias étnicas

As máscaras importadas da China por empresas brasileiras poderiam ser provenientes de empresas que utilizam mão de obra de minoria étnica uigur, segundo reportagem do New York Times.

Cerca de um milhão de pessoas desse grupo étnico estariam detidas em campos de “reeducação” na região de Xinjiang.

Com o aumento da demanda de material de proteção devido à pandemia do novo coronavírus, as empresas chinesas aumentaram sua produção para responder à demanda interna e internacional, entre elas, do Brasil.

O governo chinês desenvolveu um programa que envia os uigur, uma minoria muçulmana da região de Xinjiang, no noroeste da China, e outros grupos étnicos, para realizar trabalhos forçados em fábricas, segundo organizações de direitos humanos.

Em princípio, o equipamento produzido nestas empresas é para uso doméstico.

8cd663a32e9cd86d

Ainda que seja difícil delimitar para que continentes o material é enviado, o New York Times retraçou o caminho feito por um carregamento proveniente da empresa chinesa Medwell, onde os uigur representam mais de 25% da mão de obra. 

De acordo com o jornal, a empresa brasileira Medtrace, importou máscaras da Medwell.

Além do Brasil, a fábrica de equipamentos de proteção tem clientes nos Estados Unidos e Europa.

O NYT também identificou outras empresas fora de Xinjiang que exportam máscaras e usam o trabalho da minoria étnica.

35840e89bfdfe49d

Estima-se que quase 1 milhão de pessoas tenham sido levadas para campos de detenção na China

Campos de “reeducação”

O governo chinês detém pessoas dessa etnia em chamados “campos de reeducação” e diz ser necessário mantê-los sob controle, para evitar o “extremismo religioso”. 

Segundo organizações de defesa dos direitos humanos, o numero de pessoas detidas poderia chegar a 1 milhão.

Estes campos existem desde 2014, mas as detenções se intensificaram em 2016 e hoje estão no centro das tensões entre Washington, Paris e Pequim.

 

Segundo testemunhas de ex-detentos no jornal Libération, nos centros de detenção os uigur devem cantar o hino do partido comunista chinês, recitar as ideias do presidente Xi Jinping e assistir a vídeos de propaganda.

Eles também seriam proibidos de falar sua língua e de praticar sua religião e tradições, sob pena de punição e tortura.

Em um estudo publicado em 29 de junho, a fundação Jamestown denunciou a prática de esterilização forçada de mulheres desta população.

Segundo o The China Tribunal, um organismo independente que observa o respeito aos direitos humanos na China, poderia existir um tráfico de órgãos de pessoas detidas dos campos de reeducação.

MAIS NOTÍCIAS

Flávio Rocha: como a Riachuelo planeja criar um “superApp de moda”

Covid-19: tratamento com proteína inalável pode reduzir mortes

Viseira não substitui máscara na proteção contra Covid-19, afirmam autoridades europeias

Cultura do Cancelamento: o que revela o 'sinal de OK' retratado nas redes como racista

Franceses fazem "corrida maluca" por testes de Covid-19 para conseguirem viajar nas férias

Turismo nacional dá sinais de recuperação nas classes C, D e E

'Parecia que eu estava morrendo': a ilha onde mulheres são sequestradas para se casarem

Brasil participa de consórcio mundial para combate à covid-19

QuintoAndar: startup imobiliária quitou R$ 50 milhões em atraso de aluguéis de inquilinos

Brasil é admitido como observador no Fórum Internacional de Transporte

Guedes entrega hoje ao Congresso proposta de reforma tributária

Daniela Cachich, da Pepsoco Foods, explica como é o bom marketing social: “Consistente e coerente”

Vacina de Oxford é segura e induz imunidade, dizem cientistas após testes

Pesquisa Setur/Bahia: pandemia fechou 85% das empresas de turismo no estado​

Ambulantes oficiais de SP voltam a trabalhar nesta segunda-feira

Disney se junta ao boicote contra o Facebook e Instagram

Grupo de "sovinas" liderados pela Holanda quase enterra cúpula da União Europeia

BNDES lança plano de estímulo à aposentadoria

Redução de voos durante pandemia levou a previsões do tempo menos precisas

Estudo projeta redução de áreas de produção de arroz e feijão

Editorial da Folha de São Paulo: JUSTIÇA SEM CENSURA

Barcelona retoma quarentena após novos contágios

Forte suspeita de fogo posto na catedral de Nantes; veja reportagem da Euronews

Astrônomos encontram buraco negro 19 milhões de vezes maior que Sol

EUA: Departamento de Justiça executa 3º prisioneiro em 1 semana após hiato de 17 anos

Grande incêndio toma conta de catedral de Nantes, na França; veja vídeos

Estes são os novos emojis que chegarão neste ano no Android e iOS

OMS: coronavírus se estabilizou no Brasil, mas ainda não há queda sustentada

Turismo pós-pandemia em Salvador: agência baiana aposta na ‘saudade’ para retomada 

Coreia do Sul aprova teste de remédio de anticorpos contra covid-19

Google lança tradutor de hieróglifos baseado em inteligência artificial

São Paulo: mercado imobiliário aponta melhora nas vendas e fala em retomada em ‘V’

O sol como você nunca viu: imagens são as mais próximas obtidas da estrela

Câmara aprova auxílio de R$ 600 para atletas e profissionais do esporte

IBGE: pandemia fecha 39,4% das empresas que suspenderam atividades; veja pesquisa

Reino Unido, EUA e Canadá acusam Rússia de tentar roubar dados da vacina para Covid-19​

Decreto proíbe queimadas em todo o Brasil por 120 dias

Competição: 1º Desafio Brasileiro de Inovação em Turismo para startups

Senado aprova MP sobre reembolso e remarcação de voos

Startup japonesa cria máscara inteligente que traduz até 8 idiomas

Brasil deve encolher e deverá ter só 165 milhões de habitantes até o fim do século

Jornais de avião indiano que caiu em 1966 'reaparecem' nos alpes franceses

Fase 1 de testes mostra que vacina para coronavírus é segura e induz resposta imunológica

Justiça de São Paulo declara falência da Avianca Brasil

Dinamarca abre o 1º Museu da Felicidade do mundo

Deficiência em proteína pode estar por trás de casos graves de Covid-19