• C7254ed4360408af
  • Cbdafb20fcfaf460
09 de Julho de 2020

Icone show economia negociosEconomia & Negócios

Redação / Hugo Julião
16:14
12/03/2020

Uma história de quem apostou no velho vinil e encontrou um novo mercado

Você compraria um Cadillac 1953 abandonado em um ferro-velho há pelo menos duas décadas?

Essa analogia foi utilizada pelo empresário Michel Nath, 43 anos, ao contar que adquiriu, em 2014, sete prensas utilizadas na fabricação de discos de vinil.

Também abandonadas em um ferro-velho durante 20 anos, as prensas, da mesma idade do Cadillac usado como exemplo, pertenciam à antiga gravadora Continental.

Essa aquisição, aliada a uma missão e muita persistência, permitiu o pontapé inicial para o surgimento da Vinil Brasil, a segunda indústria do setor em operação no país – a outra é a Polysom, reativada em 2009.

38e34b2f8c4abc73

Michel Nath 
©Imagens - Divulgação/Vinil Brasil

Vendas sob encomenta

Em pouco mais de cinco anos de atividades, a empresa já fabrica uma média de 10 mil LPs e compactos por mês.

Cada LP tem um custo médio de produção que varia entre R$ 25  e R$ 39, dependendo da tiragem, que parte de lotes com 300 unidades.

As vendas são sob encomenda e, por meio de parceria com uma gráfica, é possível confeccionar as capas dos álbuns.

 

Segmento vem crescendo ano a ano

A empresa aposta num segmento que cresce ano a ano desde a metade da década passada no mundo todo.

Nos Estados Unidos, relatório publicado em setembro passado pela Associação Americana de Gravadoras (RIAA, na sigla em inglês) mostrou que as vendas de vinis iriam superar as de CDs ao final de 2019.

Os dados consolidados para o ano ainda não foram revelados, mas assim mesmo já empolgam os amantes dos bolachões, como são carinhosamente conhecidos os vinis.

4501a88da63e00d5

Prensas da antiga gravadora Continental ficaram 20 anos abandonadas no ferro-velho

O ressurgimento de um formato que parecia morto, ou reverenciado apenas por saudosistas e colecionadores, na opinião de Nath, não tem nada a ver com modismo.

“Trata-se de consumidores que têm uma relação especial com a qualidade de áudio e que valorizam a preservação do legado cultural e histórico das músicas.

Assim como os livros, os discos garantem a perenidade física da música”.

 

Paixão pela música

A paixão de Nath por discos de vinil e por música em geral vem desde a infância.

Na adolescência, ele cursou a Universidade Livre de Música, onde estudou violão popular e guitarra.

Paralelamente, sempre gostou de compor e escrever poesias.

Chegou a trabalhar como DJ, em Londres. No entanto, nunca deixou de escutar seus LPs.

 

Disco autoral em vinil

Ao voltar para o Brasil, em 2012, começou a trabalhar em um disco autoral.

Dois anos depois, com o material pronto, Nath decidiu que queria gravar seu álbum em vinil, mesmo já tendo encomendado cerca de mil unidades em CD.

“Na época, tinha duas opções para fazer LPs.

Ou em uma fábrica no Rio de Janeiro ou por meio de uma importadora que trazia discos fabricados na República Tcheca.

Optei por esta última pela certeza da qualidade sonora”.

D949fda3848439f0

Reformadas, as prensas agora produzem 10 mil LPs e compactos por mês

O empreendedor tomou conhecimento das prensas abandonadas na mesma época em que seus discos chegaram da República Tcheca.

“Foi por meio de um anúncio numa rede social.

Quando vi a oportunidade de reativá-las, vislumbrei a possibilidade de gerar um novo momento na cena musical brasileira.

Então adquiri os equipamentos e os levei para uma garagem na Barra Funda, na mesma rua em que meus pais moravam quando eu nasci”, afirmou.

A partir daí, com a aquisição das prensas e por acreditar no importante papel do vinil para a preservação da cultura, o empresário mergulhou de cabeça no projeto da Vinil Brasil.

 

Um desafio: Como restaurar as antigas prensas de 1953?

Grande parte das peças para reposição não existia mais.

Além disso, faltava mão de obra especializada na fabricação dos discos.

 

A solução

A solução foi buscar conhecimento sobre equipamentos, materiais e processos de produção.

Paralelamente, Nath contratou antigos funcionários da Radio Corporation of America (RCA), uma das maiores fábricas de discos que já funcionou no Brasil.

Também foram chamados funcionários das áreas de tecnologia industrial, já que muitas peças utilizadas receberam tecnologia atual.

Com as primeiras prensas em funcionamento, em 2015 a empresa instalou-se em um galpão também no bairro da Barra Funda, zona oeste de São Paulo.

No ano passado, com o aumento da produção e a necessidade de um local mais amplo, a Vinil Brasil mudou-se para o atual endereço, na rua Visconde de Taunay, no Bom Retiro.

 

Álbuns em destaque

Entre os discos já fabricados pela Vinil Brasil, destacam-se álbuns como “A Mulher do Fim do Mundo”, de Elza Soares; “Dancê”, de Tulipa Ruiz; “A Mulher do Pau Brasil”, de Adriana Calcanhoto; o box com quatro compactos “Onisciente Coletivo”, do Ratos de Porão; além da edição inédita em vinil do disco “9 Luas”, dos Paralamas do Sucesso.

 

Fábrica de toca-discos

Para o futuro, a meta é expandir a capacidade de produção da unidade fabril.

“Queremos que a Vinil Brasil se transforme em um selo, que possa lançar novos artistas.

E quem sabe, dependendo da viabilidade econômica, que comece, mesmo que timidamente, a fabricar toca discos.

Não custa sonhar”, concluiu Nath.

Vale lembrar que o Brasil não conta mais com fábricas de toca-discos.

Os equipamentos à venda no país são importados e geralmente caros, mas de boa qualidade.

Os mais acessíveis, a maioria com estilo retrô, são importados da China.

Com informações do DC

_____________

MAIS NOTÍCIAS

Capas com as manchetes dos principais jornais nacionais desta quinta-feira (12)​

Veja os gols desta quarta-feira (11): Futebol Europeu, Libertadores e Copa do Brasil​

Petrobras corta preço da gasolina em 9,5%; diesel cai 6,5%​

Itália ordena fechamento do comércio devido ao coronavírus​

O que é pandemia e o que muda com declaração da OMS sobre o novo coronavírus​

Três fatores que tornam o home office mais produtivo do que trabalhar no escritório​

PF faz ação contra mães acusadas de partilhar material de pedofilia​

Coronavírus: o cenário desolador na Itália, um país inteiro em quarentena (vídeo)​

Acusados pelas mortes de Marielle e Anderson vão a júri popular​

Estes são os países com mais "super-ricos" no mundo​

Pequenos negócios são maioria entre as Indicações Geográficas brasileiras​

Projeto Petrobras Cultural para Crianças tem inscrições abertas​

CNN Brasil estreia no próximo domingo (15)​

Observatório Edge: o mais alto mirante a céu aberto de Nova York e do hemisfério ocidental​

Trans abraçada por Drauzio Varella no Fantástico estuprou e estrangulou menino de 9 anos​

Itamaraty estima que até 90 mil brasileiros estejam no norte da Itália​

Invenções criadas por mulheres – e que nem sempre foram reconhecidas como tal​

‘Manifestações contra Congresso não são risco para o país’, diz FHC​

Entre salários, marketing e publicidade, quanto Neymar ganha anualmente?​

Turismo movimentou R$ 238,6 bilhões no Brasil em 2019, aumento de 2,2%​

Palestra: "Posicionamento Digital para Mulheres de Sucesso"​

Brasileira desenvolve técnica para criar neurônios em laboratório​

ONU: 90% da população mundial tem preconceito contra mulher​

Destinos nacionais são os preferidos dos brasileiros; SP e RJ lideram, aponta pesquisa​

Startup Summit 2020 anuncia 50 palestrantes e arena de podcasts​

Carro elétrico da Fiat com autonomia de 320 km chega ao Brasil em 2020​

Metade das praias do planeta pode sumir até o fim deste século, diz estudo​

Nasa recriou em 4K o que os astronautas da Apollo 13 viram ao contornarem a Lua​

Bahia ganha 62 novos voos semanais a partir deste mês​

Carteira Digital de Trânsito passa a permitir indicação de condutor​

Embrapa desenvolve sensor que avalia grau de maturação de frutas​

Especialista recomenda quatro chás caseiros para desinchar​

CBF divulga tabela de jogos do Brasileirão Série A 2020; veja os jogos do seu time​