• C7254ed4360408af
  • Cbdafb20fcfaf460
05 de Julho de 2020

Notícias

Edição: Hugo Julião
13:27
01/06/2020

Coronavírus: a Noruega se pergunta se deveria ter sido mais como a Suécia

Na semana passada , a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, foi à televisão norueguesa fazer uma admissão surpreendente: ela entrou em pânico.

Algumas, talvez a maioria, das duras medidas impostas no lockdown da Noruega agora parece que foram longe demais . "Era necessário fechar escolas?" ela meditou. "Talvez não."

 "Provavelmente tomei muitas decisões por medo", admitiu ela, lembrando os espectadores das imagens aterrorizantes da Itália que inundavam suas telas.

Ela não é a primeira na Noruega a concluir que fechar escolas e jardins de infância, fazer todo mundo trabalhar em casa ou limitar as reuniões a um máximo de cinco pessoas pode ter sido excessivo.

27675977f5611746

Erna Solberg, primeira-ministra da Noruega

Já em 5 de maio, o Instituto Norueguês de Saúde Pública publicou uma nota informando que, no momento em que o bloqueio foi imposto em 12 de março, a taxa de contágio na Noruega já era de 1,1 e caiu para abaixo de 1 em 19 de março.  

Ninguém duvida do sucesso da Noruega em controlar a pandemia . Na sexta-feira, havia apenas 30 pessoas no hospital com coronavírus e cinco em um ventilador. Apenas uma pessoa morreu a semana toda.

Atualmente, o número de mortos per capita é de 44 por milhão de pessoas, pouco mais de um décimo do registrado na vizinha Suécia, onde 4.971 pessoas morreram.

A72d96fa9351d25c

Vallhall Sports Arena, em Oslo, enquanto os preparativos são feitos para serem usados ​​como sala de exames da escola (Foto: Lise Aserud)

Mas esse sucesso teve um custo social e econômico proibitivo.

Um comitê de especialistas encarregado de realizar uma análise de custo-benefício das medidas de bloqueio em abril estimou que elas juntas custavam à Noruega 27 bilhões de coroas norueguesas (US$ 2,8 bilhões) a cada mês.

Com apenas 0,7% dos noruegueses infectados, de acordo com as estimativas do NIPH, quase não há imunidade na população.

O comitê de especialistas concluiu na sexta-feira passada que o país deve evitar o bloqueio se houver uma segunda onda de infecções.

Fa63d66986c83dd8

Um médico faz um teste em um carro do lado de fora de hospital na Noruega, no início da epidemia em março (Foto: Terje Bendiksby / NTB)

"Recomendamos uma abordagem muito mais leve", disse o diretor do comitê, Steinar Holden, professor de economia da Universidade de Oslo, ao Sunday Telegraph.

"Deveríamos começar com medidas em nível individual - que é o que temos agora - e se houver uma segunda onda, deveríamos ter medidas locais, onde isso ocorrer, e evitar medidas em nível nacional, se isso for possível."

A estratégia atual da Noruega - usar testes, rastreamento de contatos e isolamento domiciliar, sem restrições pesadas - seria a melhor, concluiu o relatório.

 

Porém, se essa estratégia de 'manutenção' não impedir um aumento nos casos, uma 'estratégia de freio' para suprimir a taxa de transmissão, mas não reduzi-la abaixo de 1, seria preferível a um bloqueio.

E33886a3ffb3695e

Margrethe Greve-Isdahl, médica especialista do Instituto Norueguês de Saúde Pública (NIPH) - Foto: Brage Lie Jor

Uma medida que ninguém acha que deveria ser adotada novamente é o fechamento da escola.

Margrethe Greve-Isdahl, médica especialista do NIPH em infecções nas escolas, disse ao Telegraph que, se as escolas não tivessem sido fechadas, elas poderiam ter desempenhado um papel importante na disseminação de informações para as pessoas das comunidades imigrantes, que foram afetadas desproporcionalmente pela epidemia, sobre as regras de higiene e distanciamento social.

"Eles podem aprender essas medidas na escola e ensinar seus pais e avós; portanto, pelo menos para algumas dessas minorias difíceis de serem alcançadas, poderia ter havido um efeito positivo na manutenção das crianças na escola".

928a7f5cbcee6cad

A Suécia evitou um bloqueio rígido, mas o distanciamento social foi implementado (Foto: Jonathan Nackstrand/AFP)

No final de março e abril, também houve medo de que os adolescentes estivessem espalhando o vírus mais fora das escolas do que teriam dentro deles. 

"Havia grandes grupos de adolescentes que estavam juntos e não seguiam necessariamente nenhuma medida preventiva", disse Greve-Isdahl.  

Mas talvez a principal razão pela qual a Noruega provavelmente não feche as escolas novamente, aconteça o que acontecer em futuras ondas de infecção, seja o reconhecimento do impacto nos alunos mais vulneráveis.  

"Atualmente, há muita informação disponível sobre como isso impactou negativamente a economia e as crianças vulneráveis. Todo o seu sistema de atendimento entrou em colapso", diz Greve-Isdahl. "Acho que seria difícil impor restrições pesadas novamente."

Parece que a Noruega já decidiu que um segundo bloqueio não é o caminho a seguir, por mais que a infecção volte a aparecer. Mas isso não significa que a primeira-ministra tenha arrependimentos.

"Eu acho que era o que deveria ter sido feito à época", disse ela. "Com base nas informações que tínhamos, adotamos uma estratégia de precaução".

Provavelmente nunca será possível saber, acrescentou, quais das medidas de bloqueio que a Noruega impôs causaram a queda do número de infecções tão acentuadamente, se houver.

Fonte: The Telegraph / Tradução: Hugo Julião

Db29c26188d4cf56