• 684f35eaf23b3199
21 de Julho de 2019

Notícias

Redação com nformações da Agência Brasil
03:10
16/11/2015

Franceses e brasileiros se unem para homenagear vítimas do terror

 


Brasília - Vigília na Aliança Francesa, em homenagem às vítimas dos atentados em Paris - Fotos: Elza Fiuza/Agência Brasil

 

Centenas de pessoas participaram, ontem (15), de vigílias em homenagem aos mortos nos ataques de Paris, na última sexta-feira (13). Os atos, apoiados pela Embaixada da França, ocorreram em quatro cidades brasileiras: Rio, Brasília, São Paulo e Recife.

 

Na capital federal, o ato ocorreu em frente à Aliança Francesa, na Asa Sul. Os manifestantes fizeram um minuto de silêncio, cantaram o hino nacional La Marseillaise e deram uma volta no quarteirão.

 


Minuto de silêncio durante a Vigília na Aliança Francesa 

 

Segundo o ministro-conselheiro da embaixada, Gaël de Maisonneuve, o evento era um agradecimento ao povo brasileiro por ter prestado solidariedade aos franceses:

 

“Também para estar com os amigos franceses e brasileiros para ter um momento de silêncio e pensar nas pessoas que faleceram. Vamos ficar unidos, mas mais vigilantes”.

 


O Ministro Conselheiro da Embaixada, Gael Maisonneuve participa de marcha durante a Vigília na Aliança Francesa

 

A vigília carioca ocorreu no Largo do Machado, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro. Vários franceses compareceram com bandeiras, camisas e cartazes em apoio ao seu país. Por volta das 17h30, velas foram acesas em homenagem às vítimas dos ataques, enquanto o francês Pascal Maurice, que vive há 11 anos no Brasil, executava a canção La Vie em Rose, em seu realejo.

 

“A barbárie não pode parar o povo francês de tocar música, de tomar um drinque num terraço, de comer num restaurante, de ver um show de música e de ver um jogo de futebol”, disse Maurice.


O cônsul da França no Rio de Janeiro, Brice Roquefeuil, agradeceu aos cariocas que, segundo ele, mostraram muita solidariedade ao povo francês nos últimos dias:

 

“Recebemos muitas mensagens dos brasileiros que condenaram esse atentado e mostraram adesão aos valores que a República Francesa representa. É importante se reunir hoje para prestar uma homenagem às vítimas e reafirmar, com força, a importância desses valores universais”.


O professor universitário Jean-Pierre Ybert, que mora no Brasil há 13 anos e pretende voltar à França no ano que vem, destacou que é importante que os ataques não dividam a sociedade francesa:

 

“Talvez eles queiram não só colocar medo nos franceses, mas também provocar uma cisão nas comunidades religiosas da França. Esse pode ser um problema, porque a tendência é que as pessoas confundam esses criminosos com outros muçulmanos. Os muçulmanos da França, que são cidadãos como quaisquer outros, pagam porque as pessoas fazem essa associação [do Islã com o terrorismo]”.