• C7254ed4360408af
  • Cbdafb20fcfaf460
05 de Julho de 2020

Saúde

Edição: Hugo Julião
07:33
31/05/2020

Alcoolismo feminino: iniciativas virtuais aparecem para ajudar na pandemia

A niteroiense Grazi Santoro não esquece da manhã em que pediu para a filha mais velha, na época com 9 anos, tomar conta da mais nova, com 6, para que ela fosse “resolver um negócio rapidinho na rua”.

Trancou as meninas dentro de casa e, enquanto esperava pelo elevador, ouviu a primogênita bater na porta e implorá-la para voltar. “Ela sabia que eu ia beber”, relembra a publicitária, hoje com 51 anos e moradora de Belo Horizonte.

“Achei que ia tomar uma cerveja, mas voltei de madrugada, completamente bêbada.”

Por sorte, nada tinha acontecido com as meninas, que continuaram a conviver com o alcoolismo da mãe até o derradeiro episódio em que Grazi, embriagada, se envolveu numa briga física com um companheiro, também alcoolizado, e foi espancada.

Desfigurada, teve que encarar a mãe, as filhas e uma triste verdade: a dependência da bebida tinha saído completamente do controle há tempos.

497d3d2365e2da1b

Esse foi o início da busca por um tratamento que já faz com que esteja há 11 anos sóbria, escapando das últimas estatísticas do Ministério da Saúde: o consumo excessivo de álcool entre a população feminina cresceu de 7,7%, em 2006, para 11%, em 2018.

Outro dado relevante vem do relatório Álcool e a saúde dos brasileiros — Panorama 2020, publicado pelo Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa).

 

Segundo o documento, houve um aumento de 19% nas internações relacionadas ao abuso da substância por mulheres, entre 2010 e 2018 — de 85.311 para 101.902.

Agora, com a quarentena imposta pela pandemia, há a preocupação de que esses números subam ainda mais.

“O aumento da dependência vai ser um dos efeitos colaterais da Covid-19, e a parcela feminina da população é um dos grupos mais vulneráveis”, diz o psiquiatra Frederico Garcia, coordenador do Centro de Referência em Drogas da UFMG.

8649cdcbfad2cd82

Frederico Garcia, professor adjunto do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina, onde lidera o Núcleo de Pesquisa em Drogas, Vulnerabilidade e Comportamentos de Risco a Saúde e coordena o Centro de Referência em Drogas da UFMG (Foto: Elza Fiúza/Ag.Brasil)

O médico explica que, biologicamente, as mulheres têm, em média, maior percentual de gordura corporal e demoram mais para metabolizar o álcool, se comparadas aos homens.

Isso faz com que a substância fique mais tempo no corpo feminino, deixando-o mais propenso ao vício. A questão conjuntural da pandemia torna-se outro complicador.

“A vulnerabilidade aumenta por causa dessa jornada tripla, de resolver coisas da casa, dos filhos e do trabalho, e também pela falta de suporte social”, analisa Frederico.

“Quando tinha a mãe, a babá, a tia, a vizinha, dava para dividir um pouco a angústia e a ansiedade, que hoje recai sobre uma pessoa só.”

Dd20cebff173eaa5

Diante dessa pressão, alcoolistas (ou alcoólicas) em abstinência ou em recuperação (o termo alcoólatra não é mais recomendado, uma vez que o sufixo “ólatra” traz ideia de adoração), além de usuárias ocasionais, precisam ficar ainda mais alertas.

 Seja para manter-se longe do vício, controlá-lo ou afastar qualquer possibilidade de que o uso esporádico se torne um hábito maléfico.

“Há um estímulo muito grande a associar bebida ao relaxamento”, diz a psicóloga Camila Ribeiro, de Taubaté (SP), presidente da Junta de Serviços dos Alcoólicos Anônimos.

Segundo a profissional, mensagens com pedidos de ajuda e informações no site aa.org.br, de homens e mulheres, triplicaram desde março.

66c5c2f5de41a7d2

É o que aconteceu com a advogada carioca Amanda Mariano, de 32 anos.

Lidar com o fechamento de seu escritório, aberto no início do ano, com o medo da Covid-19 e com o excesso de informações criou um ambiente de ansiedade que a levava a tomar meia garrafa de vinho, todo santo dia, desde que o isolamento começou, em março.

“Sentia necessidade de beber, principalmente quando assistia às notícias. Achava que aquilo me relaxava, mas, na verdade, me entristecia ainda mais. Passei a me sentir preocupada com a forma como estava lidando com o problema”, diz Amanda, que tomou decisões radicais há 15 dias: parou de ver TV e de beber.

Mas nem todo mundo consegue ter o mesmo controle — inclusive, a falta dele é uma das principais formas de detectar o alcoolismo.

Bf80e455dc135fa5

​Pensando em sua própria jornada, Grazi, cuja história abre esta matéria, criou o grupo on-line Alcoolismo Feminino, com o apoio de Claudia e outras parceiras.

A ideia foi colocada em prática no início da pandemia, e a porta de entrada é o Instagram @alcoolismo_feminino.

Por lá, é possível ter acesso a um grupo de WhatsApp que reúne mulheres (sóbrias e outras que querem parar) do país inteiro, compartilhando sucessos, angústias, fracassos e, principalmente, motivação.

___________

Uma das integrantes do Alcoolismo Feminino é a professora carioca Adriana, de 54 anos, que pediu para ter seu sobrenome preservado.

No momento da entrevista, ela estava há quatro dias sem beber, graças ao apoio do grupo.

“Há 20 anos, tento ficar sóbria”, diz ela, que já foi internada voluntariamente duas vezes.

“Tenho ouvido muitas histórias parecidas com a minha, algo que não escutava nas salas físicas (de A.A). Muitos homens me deixavam com vergonha. Estou com um pouquinho de esperança agora.”

A história de Adriana com o álcool começou aos 17 anos — quando experimentou sua primeira cerveja num churrasco.

Até aí, tudo sob controle — só torcia para que o fim de semana chegasse rápido para poder se presentear com uma gelada.

Mas, ao ingressar à casa dos 30, já casada e com filhos, a doença se instalou.

“Divorciei-me para poder beber sem ter marido no pé e cheguei ao fundo do poço, com meus filhos adolescentes vendo a progressão do problema”, conta.

“O ápice foi quando fiquei quatro dias fora. Conheci um rapaz numa noitada, e ele me convidou para ir ao sítio dele. Fiquei lá todo esse tempo, sem comunicação. Ele não me deixava ir embora. Era alcoólico também e me pegou para fazer companhia porque era fim de semana do Dia dos Pais, e a mulher não o deixava ver os filhos. Ele não me violentou nem nada, mas foi Deus que me protegeu esses anos todos.”

Bc107589892527f8

Os chats do @alcoolismo_feminino têm ajudado Adriana e, da mesma forma, as salas virtuais do Alcoólicos Anônimos o fazem pela carioca Simone, de 54 anos, que há três não bebe nem come nenhum alimento cuja preparação pode levar álcool.

“Continuo em recuperação, usando as ferramentas on-line. Se elas não estivessem funcionando (nessa pandemia), não sei se estaria em sobriedade”, diz.

Até o momento, na cidade do Rio, há 17 reuniões semanais em salas virtuais da irmandade exclusivamente para o sexo feminino, o que favorece uma adesão maior ao grupo, uma vez que ainda é pequeno o percentual delas (apenas 13%, segundo dados de 2018) no A.A.

“Homem bêbado é uma coisa, já a mulher é vagabunda, prostituta”, diz Simone, que levou a vida entre períodos de bebedeira e não bebedeira até ser atingida fortemente pela doença pouco antes de chegar aos 50.

“Em todas as festas, ficava embriagada, cutucando os outros, dando em cima dos maridos das amigas. As pessoas começaram a se afastar e fiquei à margem da sociedade. Depois de algum tempo, já não conseguia ficar sem o álcool.”

__________

O psiquiatra Frederico Garcia, da UFMG, acha que todas essas iniciativas virtuais são vitais num país como o Brasil.

“Existe uma incapacidade dos governos em prover serviços para casos de dependência química”, diz ele.

“Por isso, mais do que nunca, esses grupos são tão importantes, sobretudo para mulheres, que, quando bebem, são pouco acolhidas até pelas próprias famílias.”

1d46d876e3da3a24

COMO ANDA O SEU CONSUMO?

Criado em 1968 por pesquisadores do Memorial Hospital, do estado americano da Carolina do Norte, o questionário Cage, de quatro perguntas, visa a tentar detectar abusos de álcool, que podem levar ao desenvolvimento de transtornos.

Para os especialistas, duas ou mais respostas positivas indicam que há 85% de chances de o problema evoluir para algo mais sério.

 

* Alguma vez você sentiu que deveria diminuir a quantidade de bebida ou até mesmo parar de beber?


* As pessoas a aborrecem ao criticar seu modo de beber?


* Você se sente culpada pela maneira com que costuma beber?


* Você costuma beber de manhã para diminuir o nervosismo ou a ressaca?

Com informações de O Globo

1d8b6f3ccac67cfe

MAIS NOTÍCIAS

SpaceX lança foguete e inaugura era espacial com empresa privada; veja o vídeo

Venezuela: como é a quarentena em um país onde falta acesso aos serviços básicos​

Cientistas pedem acesso aos dados de estudo que contesta eficácia da hidroxicloroquina​

Educação voltada para atividades produtivas será fundamental no pós-pandemia​

CNI: com regras atuais de isolamento, 22% das fábricas só resistem a mais um mês​

Cachorro se recusa a deixar corpo de amiga atropelada em estrada

Trump anuncia saída dos EUA da Organização Mundial de Saúde

Covid Dreams: como a pandemia tem influenciado os nossos sonhos

Pandemia pode levar 86 milhões de crianças à pobreza até o final do ano

Governo francês anuncia reabertura quase total do país a partir de 2 de junho​

Luana Piovani fala sobre sexo e admite: ''Já dei muito por educação''​

Estudo mostra marcas mais consumidas do mundo; Coca-Cola lidera pelo 8º ano​

Paraguai e Uruguai: os 2 casos de sucesso no combate ao Covid-19 na América do Sul​

Lançamento histórico da SpaceX é adiado para sábado por complicações climáticas

Tratamento com Hidroxicloroquina: Índia apoia uso profilático; França veta uso em hospitais

Após auge da pandemia, enfermeiros e médicos italianos reclamam de esquecimento​

Estudo francês mostra que infectados pela Covid-19 ficaram imunes durante semanas

O que é o teleaborto, que vem crescendo nos EUA durante a pandemia

Michael Levitt, Nobel de Química:"lockdown" mata mais do que salva vidas

Picasso por 100 euros: a mulher que ganhou quadro de R$ 6,1 milhões em rifa

Firjan Senai oferece cursos de aperfeiçoamento para todo o país

Leandro Karnal: "Pelos que rastejam" (muitos gostariam de ter a vida que você tem)​

Milhares de pessoas vão às ruas de Hong Kong contra lei imposta pela China​

Os efeitos da Pandemia na maneira como as pessoas usam aplicativos de encontro

Startup que aluga apartamentos por hora explode na quarentena​

9 invenções que foram criadas muito antes do que você provavelmente imagina

Idosos se reinventam com ensino superior e driblam as dificuldades do isolamento

Os 13 livros e as séries que Bill Gates recomenda para 'escapar' de realidade da pandemia

"Crise do coronavírus fará o setor de veículos retroceder 15 anos no Brasil"

Britânicos que produzem vacina farão testes com 10 mil adultos e crianças​

Turismo: Europa prepara-se para a temporada de verão, mesmo com as restrições da pandemia

Latam retoma voos internacionais e 74 nacionais em junho; usuário terá mais flexibilidade

Pesquisa: uma a cada 6 crianças na Espanha teve depressão durante a pandemia​

Pesquisa: home office é aprovado por 80% dos gestores de empresas no país​

Confira as possíveis mudanças em viagens aéreas após a pandemia

Ministério do Turismo divulga cursos a distância gratuitos de instituições públicas

Azul elevará número de voos e destinos em junho

Premiê da Nova Zelândia propõe semana com 4 dias de trabalho para recuperar a economia​

Banco Mundial: pandemia pode empurrar 60 milhões para a extrema pobreza

Hoteleiras caem no ranking das maiores empresas de capital aberto do mundo

Saiba quais são os três setores que provavelmente sumirão por conta do coronavírus

Psiquiatras alertam para 'tsunami' de problemas de saúde mental em meio à pandemia

Descoberta em Marte: novas evidências de rios antigos encontradas no planeta

Revista Advogados chega a sua 7ª edição, agora em formato digital; confira os destaques

Sebrae amplia apoio ao MEI para superar a crise do coronavírus

Drones: a tecnologia a favor da vida, entregando remédios e monitorando aglomerações

Cachorros também passam pela adolescência, diz estudo

O destinos das torres de escritórios após a pandemia

Pesquisadores de Israel criam teste que detecta coronavírus em um minuto

O que se sabe sobre o misterioso avião orbital da Força Aérea dos EUA

Sebrae lança mentoria para ajudar pequenos negócios a aumentar vendas online

Unicef alerta: por restrições à circulação, mais de 6.000 crianças podem morrer por dia no mundo​

ONU: serviços de saúde mental devem ser parte essencial na pandemia; veja vídeo

Sebrae oferece consultorias gratuitas aos empresários

Fotógrafo dedica-se a registrar pessoas que parecem gêmeas, mas nem parentes são

ONU: interrupções em serviços de HIV podem causar 500 mil mortes adicionais por AIDS

Por que ver documentários sobre natureza pode fazer bem à mente na quarentena​

Os segredos da cidade "mais verde" do mundo; São Paulo ocupa surpreendente 5º lugar

Quem ficou com a fortuna bilionária de Hitler?​

Por que o Polo Norte Magnético da Terra está migrando do Canadá para a Rússia​

Retratos da Real Beleza: você é mais bonita do que pensa ser

Fotógrafo brasileiro retrata as mudanças no rosto dos amigos após 3 taças de vinho

Viagem ao Centro da Terra: o buraco mais profundo já cavado na história

Desmatamento na América do Sul está mais lento, segundo a ONU

Imagine a miséria pós-pandêmica das viagens de negócios​

5 pontos para entender o pensamento de Maquiavel

Insônia: como dormir bem em tempos de quarentena e pandemia

O que será das viagens aéreas após a pandemia do coronavírus​

Como Einstein, um físico totalmente apaixonado pela ciência, organizava seu tempo

Superação: com livros achados no lixo, ex-diarista entrou na faculdade de Direito e virou PM

Ao divulgar vídeos de fenômenos aéreos, Pentágono disparou o interesse pelos OVNIs​

Dr. Arthur Guerra: "A quarentena está mudando a nossa relação com o álcool"

O que diz um dos "pais" da internet sobre como nos proteger da obsolescência digital

 Paleontologistas revelam 'o lugar mais perigoso da história do planeta Terra' ​

Pink Floyd: acesso gratuito a shows clássicos como Pulse de 1994; na íntegra​

Mapa compara o tamanho dos estados brasileiros à extensão de outros países​

A designer Becca Saladin interpreta como seriam os rostos da realeza do passado​

onheça as obras hiper-realistas de Samuel Silva, feitas apenas com esferográficas​

Conheça o trabalho da fotógrafa que captura sonhos com sua lente​

Veja os vídeos dos Beatles com as suas10 músicas mais ouvidas de todos os tempos

Uma história de quem apostou no velho vinil e encontrou um novo mercado

Observatório Edge: o mais alto mirante a céu aberto de Nova York e do hemisfério ocidental​

Invenções criadas por mulheres – e que nem sempre foram reconhecidas como tal​

Metade das praias do planeta pode sumir até o fim deste século, diz estudo​

Nasa recriou em 4K o que os astronautas da Apollo 13 viram ao contornarem a Lua​