• C7254ed4360408af
  • Cbdafb20fcfaf460
06 de Junho de 2020

Saúde

Redação / Hugo Julião
16:16
10/04/2020

Coronavírus: como o mundo desperdiçou a chance de produzir vacina para conter a pandemia

Em 2002, na Província chinesa de Guangzhou, um vírus desconhecido causou o surto de uma doença potencialmente letal.

Os cientistas chamaram de Sars (sigla em inglês para síndrome respiratória aguda grave).

Mais tarde, descobriu-se que o patógeno causador da doença é um coronavírus que se originou em um animal e se espalhou entre os seres humanos.

Em alguns meses, aquele vírus se espalhou por 29 países, infectando mais de 8.000 pessoas e matando cerca de 800.

Em todo o mundo, havia uma demanda geral para saber quando uma vacina para combater o vírus estaria pronta.

Dezenas de cientistas na Ásia, Estados Unidos e Europa começaram a trabalhar freneticamente para criá-la.

Vários protótipos surgiram, alguns dos quais estavam prontos para serem usados em testes clínicos.

4b4e1dde831dcf98

Os pesquisares María Elena Bottazzi (à direita) e Peter Hotez dirigem um laboratório nos EUA que criou uma vacina para a Sars, doença causada por outro coronavírus  ©Anna Grove Photography

Mas a epidemia de Sars foi controlada e o estudo das vacinas contra o coronavírus foi abandonado.

Anos depois, em 2012, outro coronavírus perigoso, o Mers-Cov, ressurgiu, causando uma doença respiratória grave, a Mers (síndrome respiratória do Oriente Médio), que se originou em camelos e se espalhou para os seres humanos.

Na época, muitos cientistas reiteraram a necessidade de uma vacina contra esses patógenos.

Hoje, quase 20 anos depois da Sars, quando um novo coronavírus, o Sars-Cov-2, já infectou quase 1,5 milhão de pessoas, o mundo está mais uma vez se perguntando quando uma vacina estará pronta.

Então, por que não aprendemos com os coronavírus anteriores a ponto de estarmos mais preparados hoje para a covid-19?

E por que as vacinas não foram mais estudadas?

 

'Não estamos interessados'

Uma equipe de cientistas na cidade de Houston, nos Estados Unidos, continuou pesquisando e, em 2016, tinha uma vacina pronta contra um coronavírus.

"Terminamos os testes e passamos pelo aspecto crítico da criação de um processo de produção em escala piloto para a vacina", diz Maria Elena Bottazzi, codiretora da Escola Nacional de Medicina Tropical da Faculdade de Medicina Baylor e do Centro de Desenvolvimento de Vacinas do Hospital Infantil do Texas.

"Então, fomos ao NIH (Institutos Nacionais de Saúde dos EUA) e perguntamos:

'O que fazemos para transferir rapidamente a vacina para a clínica?'

E eles nos disseram: 'Olha, agora não estamos mais interessados'."

43efe445c80612a3

Após a epidemia de coronavírus em 2002, dezenas de cientistas suspenderam estudos devido à falta de interesse e financiamento  ©Getty Images

A vacina atuava contra o coronavírus que causou a epidemia de Sars em 2002, mas, desde que a epidemia foi controlada, os pesquisadores nunca mais conseguiram financiamento.

Mas essa não foi a única vacina suspensa por falta de dinheiro.

Dezenas de cientistas em todo o mundo interromperam seus estudos devido à falta de interesse e fundos para continuar pesquisando.

 

Sars e Mers afetaram principalmente a Ásia e o Oriente Médio

Segundo Susan Weiss, professora de microbiologia da Universidade da Pensilvânia, quando a epidemia de Sars terminou, depois de oito meses, pessoas, governos e empresas farmacêuticas "imediatamente perderam o interesse no estudo dos coronavírus. "

"Mas, além disso, a Sars afetou principalmente a Ásia, com alguns casos em Toronto (Canadá), mas não chegou à Europa como esse novo coronavírus", disse Weiss à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC

"Então, surgiu o Mers, o segundo coronavírus humano virulento, mas ele ficou quase inteiramente confinado ao Oriente Médio", afirmou.

"Aí os coronavírus e o interesse por eles se dissiparam. Até agora. E realmente acho que deveríamos estar mais bem preparados", afirma a pesquisadora.

 

Duas advertências

Segundo especialistas, a Sars e a Mers foram dois "avisos importantes" sobre os perigos dos coronavírus, mas, ainda assim, não houve incentivos para que as pesquisas sobre eles continuassem.

Embora a vacina criada pela equipe de Maria Elena Bottazzi fosse para um coronavírus diferente do atual, os especialistas concordam que, se a vacina estivesse pronta, haveria um progresso muito mais rápido no desenvolvimento de outra.

C6a05d1c388289a0

Sars e Mers, causadas por outros coronavírus, foram 'avisos importantes' sobre o perigo desse tipo de vírus  ©Getty Images

Jason Schwartz, professor da Escola de Saúde Pública da Universidade Yale, diz que a preparação para esta pandemia deveria ter começado logo após o surto de Sars em 2002.

"Se não tivéssemos abandonado o programa de pesquisa de vacinas para Sars, teríamos muito mais bases prontas para trabalhar neste novo vírus intimamente relacionado (ao anterior)", disse ele à revista americana The Atlantic.

De fato, o novo coronavírus, chamado Sars-Cov-2, é um "primo próximo" do vírus que causou a Sars em 2002.

"Eles são, geneticamente, 80% semelhantes", diz Bottazzi.

Como a vacina já passou pelos processos necessários para aprovação, ela poderia ter se adaptado mais rapidamente ao novo coronavírus, segundo a pesquisadora.

"Nós já teríamos um exemplo de como esses tipos de vacinas se comportam e, embora os vírus não sejam exatamente os mesmos, eles vêm da mesma classe", explicou.

"Poderíamos ter informação sobre a segurança (da vacina) em humanos", acrescenta Bottazzi.

"E teríamos mais confiança de que essas vacinas podem ser usadas em populações que precisam delas."

 

'Terrível proposta'

Se todo esse conhecimento estava disponível, por que a pesquisa da vacina contra o coronavírus foi interrompida?

Segundo especialistas, tudo se resume ao dinheiro.

"Não estávamos pedindo US$ 100 milhões ou US$ 1 bilhão", diz Bottazzi.

"Estávamos falando em três ou quatro milhões de dólares.

Com um milhão e meio, poderíamos ter feito um estudo clínico.

Mas o financiamento foi encerrado no momento em que tínhamos evidências interessantes", afirma Bottazzi.

9c371e8b3bed7258

Membros do laboratório da Escola Nacional de Medicina Tropical da Faculdade de Medicina Baylor de Houston

O financiamento acabou porque não havia mercado para a vacina, como explica Peter Kolchinsky, virologista e diretor da empresa de biotecnologia RA Capital.

"A realidade é que, quando existe um mercado, existe uma solução", diz ele.

"Hoje temos centenas de vacinas para os coronavírus, mas são todas para animais: porcos, galinhas, vacas etc."

Elas são vacinas para prevenir doenças que podem custar milhões de dólares à indústria avícola e pecuária.

Segundo ele, pensava-se que os surtos de coronavírus em humanos poderiam ser controlados mais facilmente.

"O problema é que, para qualquer empresa, é uma péssima proposta comercial desenvolver um produto que, de acordo com as probabilidades, não será usado em décadas ou talvez nunca."

"Esse é o tipo de coisa em que os governos devem investir.

Se isso fosse uma prioridade, não tenho dúvida de que as agências governamentais teriam financiado o desenvolvimento contínuo de uma vacina para a Sars ", diz Kolchinsky.

"E talvez estaríamos mais bem preparados para reagir à covid-19", acrescenta ele.

 

Nova vacina

A realidade agora é que o mundo precisa de uma vacina contra o novo coronavírus que causa a covid-19.

E, provavelmente, ela não estará pronta nos próximos meses — talvez isso só ocorra daqui a 12 ou 18 meses.

Até lá, é possível que a atual pandemia já esteja sob controle.

3384795e9ae0f678

Uma vacina contra a covid-19 não deve ficar pronta nos próximos meses

Bottazzi e sua equipe estão trabalhando na atualização da vacina Sars de 2016 e em uma nova para a covid-19.

Ela e seus colegas continuam tentando encontrar financiamento para suas pesquisas.

"Alguns doadores nos deram dinheiro para recriar a vacina de 2016 rapidamente.

E os Institutos Nacionais de Saúde (dos EUA) nos deram uma pequena doação de US$ 400 mil para iniciar o desenvolvimento da nova vacina contra covid-19.

Mas temos que continuar convencendo os doadores a fornecer dinheiro para acelerar o processo", explica Bottazzi.

Todo o processo, diz a pesquisadora, é "muito frustrante".

"Nós, nos laboratórios, queremos desenvolver essas vacinas, mas não há apoio financeiro ou apoio de entidades governamentais que financiam pesquisas", lamenta Bottazzi.

"Isso ocorre porque não temos programas sustentáveis (de fomento à pesquisa), e as prioridades mudam de acordo com o que está acontecendo no momento".

Fonte: BBC

_________________

B18490216b1f3000

MAIS NOTÍCIAS

Veja os resultados das loterias desta quinta (9): Timemania, Dia da Sorte e Quina​

Site que monitora coronavírus é liderado por americana e tem 1 bilhão de acessos por dia​

Capas com as manchetes dos principais jornais nacionais desta sexta (10)​

Mais de 600 mil pequenas empresas fecharam as portas com coronavírus​

Refugiados venezuelanos na Colômbia tentam voltar em meio à pandemia​

Prefeito de São Paulo anuncia uso da cloroquina no tratamento da covid-19​

Justiça proíbe governo do Rio restringir circulação entre municípios​

iFood, Itaú e Rede fecham parceria para antecipar pagamentos de cartão de crédito a restaurantes

16,8 milhões pediram seguro-desemprego nos EUA nas últimas três semanas​

 “Vibe Fitness” oferece treinos, alongamentos e dicas gratuitas no Instagram

Diante da crise, Intermídias lança guia gratuito para negócios

Por que o coronavírus está matando mais homens que mulheres?​

Postes da rede 5G estão sendo incendiados no Reino Unido por medo da Covid-19​

Confira como pedir renda básica emergencial de R$ 600​

Quem são os 7 maiores bilionários brasileiros no novo ranking da Forbes​

Captação da poupança bate recorde em março em meio a pandemia​

Ministério define novas orientações sobre distanciamento social

Sebrae disponibiliza serviços digitais gratuitos aos empreendedores​

Globo suspende contratos de atores até o fim da pandemia​

MEC autoriza antecipar formatura de alunos da área de saúde​

Equador usa caixões de papelão para suprir demanda de mortos por coronavírus​

COI e Fifa alteram limite de idade no futebol olímpico

Vacina: Israel pretende iniciar testes em humanos contra a covid-19 no mês de junho

A fome se espalhou antes que o coronavírus pela periferia de São Paulo​

Eles nunca aprenderão? Mercados chineses ainda estão vendendo morcegos

Argentina: "Caos: milhões de aposentados foram sacar e quarentena entrou em colapso"​

Netflix: 5 excelentes séries lançadas este ano; veja os trailers e sinopses completas​

Covid-19: mais de cinco milhões enfrentam fome no Sahel, na África Subsaariana​

Elefantes da Tailândia podem morrer de fome com o colapso do turismo​

Boticário doa 216 toneladas de itens de higiene e dá apoio à compra de equipamentos hospitalares​

JBS anuncia contratação de 3 mil funcionários no Brasil​

Facebook lança versão desktop do Messenger após salto em chamadas de vídeo​

Mercedes-Benz vai usar peças da sua indústria para produzir respiradores e máscaras​

Conheça as obras hiper-realistas de Samuel Silva, feitas apenas com esferográficas​

Quarentena: da divisão por gênero à violência policial, as medidas inusitadas no mundo​

Pesquisadores brasileiros buscam moléculas para combater a covid-19​

Suspensão temporária de telefonia e internet alivia a conta em escritórios

Aplicativo de videoconferência Zoom já é mais popular que o WhatsApp

'Quarentena para quem?':

trabalhadores enfrentam rotina de transporte público e proteção precária​

Pintura de Van Gogh é roubada durante a noite de museu holandês​

Conheça o trabalho da fotógrafa que captura sonhos com sua lente​

Filha de Arnold Schwarzenegger implora para prefeito fechar feira livre lotada em Los Angeles

 Crise no sul de Itália: "Não temos dinheiro e precisamos de comer"​

Utilização do WhatsApp aumentou 40%​

Hemocentros de todo Brasil passam a contar com ferramenta do Facebook​

Tatiana Cobbett lança novo single do seu álbum "Lá & Cá"​

07 filmes de apocalipse que estão no Netflix; sinopses completas e trailers

Covid-19: maior produtor mundial de preservativos fecha e pode causar escassez​

Quarentena da vida real: os paulistanos de Paraisópolis, Heliópolis, Cracolândia e afins​

Artigo: Não podemos fetichizar as mortes provocadas pelo coronavírus

Leia artigo de Steven Taylor, autor do livro "A Psicologia da Pandemia"​

Brasil registra 200 casos de tuberculose por dia e mais de 4 mil mortes por ano​

Uma breve análise sobre o livro "Alexandre, o Grande"​

Distanciamento social está aproximando as pessoas, conclui estudo​

Netflix: sinopses e trailers de 09 filmes de suspense para você assistir​

Netflix: 10 filmes para assistir durante a quarentena

O Boticário doa 1,7 tonelada de álcool gel para a saúde pública​

Veja MAPA em TEMPO REAL dos casos de coronavírus em cada país​

Em casa? 
Aproveite e veja os vídeos dos Beatles com as suas10 músicas mais ouvidas de todos os tempos

Sebrae: "Como sua empresa pode reagir ao coronavírus?"

Sebrae amplia atendimento ao público no ambiente digital​

 

Médico infectado com Covid-19 diz como são os sintomas dia após dia​

Entenda a diferença entre Covid-19, resfriado e gripe​

Saiba tudo sobre o novo coronavírus e a doença que ele provoca​

Pesquisa: população é favorável às concessões de parques para a iniciativa privada​

Uma história de quem apostou no velho vinil e encontrou um novo mercado

Três fatores que tornam o home office mais produtivo do que trabalhar no escritório​

Estes são os países com mais "super-ricos" no mundo​

Pequenos negócios são maioria entre as Indicações Geográficas brasileiras​

 

Observatório Edge: o mais alto mirante a céu aberto de Nova York e do hemisfério ocidental​

Invenções criadas por mulheres – e que nem sempre foram reconhecidas como tal​

Brasileira desenvolve técnica para criar neurônios em laboratório​

ONU: 90% da população mundial tem preconceito contra mulher​

Carro elétrico da Fiat com autonomia de 320 km chega ao Brasil em 2020​

Metade das praias do planeta pode sumir até o fim deste século, diz estudo​

Nasa recriou em 4K o que os astronautas da Apollo 13 viram ao contornarem a Lua​

Carteira Digital de Trânsito passa a permitir indicação de condutor​

Embrapa desenvolve sensor que avalia grau de maturação de frutas​

Especialista recomenda quatro chás caseiros para desinchar​