• F9fb45c18d8bfc00
  • 117370fc98312d4c
  • 5b7ad8a92a7264b8
25 de Outubro de 2020

Icone show tema livreTema Livre

Edição: Hugo Julião
11:16
24/07/2020

Baile semanal de forró anima Praça da República em Paris

Todas as segundas-feiras, durante o verão europeu, a Praça da República no centro de Paris se transforma em uma cidade do interior do Nordeste.

A animação é garantida pelos bailes de forró, uma iniciativa do ativista cultural negro Malandjo Danho.

Desde 2014, quando a "ocupação urbana" que Malandjo usava para fazer seus eventos foi desocupada pela polícia, ele transferiu seus bailes dançantes para a praça pública.


"Quando fecharam a ocupação, eu estava com muita raiva. Vi a Praça da República e disse: vamos dançar na rua”, conta.

Ele não pediu nenhuma autorização municipal, apenas instalou o som na praça e convidou o povo para dançar.

Os “dois primeiros anos foram de combate, com o material confiscado”, até o surgimento do movimento de contestação social Nuit Debout (Noites em Claro), em 2016, quando jovens ocuparam a Praça da República durante vários meses, inicialmente contra a reforma da legislação trabalhista.

“Quando vi o movimento Nuit Debout, eu disse: não me deixam dançar, mas lutar, gritar pode!”, lembra o ativista.

B95dad5fdb0428e5

Os bailes de forró na Praça da República em Paris acontecem todas as segundas-feiras, à partir de 19h, durante a temporada de verão na França (Foto:Gros Câlin Debout)

Ele criou então o “Gros Câlin Debout” (Grande abraço em pé) e pode “recuperar” a praça. Desde 2016, ele organiza no local todas as noites, sem nenhum problema, bailes durante seis meses do ano.

“Começamos com o forró que era o mais simples porque eu conhecia o pessoal do forró. Mas rapidamente incluímos outras danças (Bachata, Rock, Salsa, Tango...). Adoro o forró, que é uma dança fácil, simples para qualquer dançarino. Podemos falar de uma dança popular porque todo mundo pode ser apropriar do forró," diz Malandjo, que faz questão de ressaltar a semelhança sonora entre seu nome e a palavra portuguesa “malandro”.

Este ano, por causa da pandemia e da quarentena imposta pelo governo para frear a disseminação do coronavírus, o “Gros Câlin Debout” teve que esperar a flexibilização do confinamento na França para poder voltar a animar as noites parisienses a partir do final de maio.

 

O baile é gratuito, mas os participantes são convidados a contribuir com € 2 simbólicos.

Malandjo disponibiliza o som e a música e este ano, em respeito às medidas sanitárias, colocou álcool em gel à disposição e máscaras à venda. “Mas quase ninguém compra!”

71b11e23509fcfad

Marie Bounazel e o professor de forró Gilmair Arruda (Foto: Adriana Brandão/RFI)

Ele também convida os professores que antes da festa começar, ensinam os interessados a dançar.

A aula de forró este ano, que também é gratuita, é ministrada por Gilmair Arruda, campeão de Forró Pé de Serra em 2007, que trocou Brasília por Paris há seis meses.

Ele ressalta que há alguns anos “a galera da Europa começou a fomentar muito essa cultura nordestina” e que o forró era mais popular no velho continente do que no Brasil.

Recentemente, a prática da dança recuou um pouco e Gilmair espera participar de sua renovação na França. Para ele, o forró é um bom cartão de visita para sua integração em Paris:

“Estamos fazendo essa iniciação com um público muito agradável, num ambiente muito agradável. Algumas pessoas que estão fazendo a aula estão me procurando, querendo aula particular”, revela o professor.

 

Gilmair conta com a ajuda da francesa e parceira Marie Bounazel que aprendeu a dançar forró, e de quebra o português, na França.

Ela conhece os outros estilos de dança brasileiros, mas considera o forró o melhor de todos.

“Eu me apaixonei porque o forró é uma dança muito linda. Tem várias músicas e formas de dançar diferentes. As pessoas têm vontade de praticar e compartilhar com muita alegria”, garante Marie.

78e9b5926e571d90

O público é muito variado e flutuante. A Praça da República é um dos lugares mais movimentados de Paris.

No início das aulas, às 19h, muita gente fica olhando, intrigada. Mas aos poucos, o número de alunos interessados começa a aumentar.

Laurence que participou do curso de forró pela primeira vez gostou da dança e do ambiente cosmopolita. Segundo ela, a aula “é muito legal”. “

Estamos no verão, temos vontade de dançar, ver pessoas. Tem gente de muitas nacionalidades diferentes, que vem de vários lugares do mundo. É muito agradável”, descreve.

 

Depois da aula, começa o baile que vai até altas horas da noite e reúne frequentadores assíduos.

Nem todo mundo tem o mesmo nível, mas o importante é encontrar um par, como ressalta Vincent, que dança muito bem, e aprendeu forró em festas parisienses, sem nunca ter ido ao Brasil.

“Todo mundo está à altura. Encontramos pessoas que sabem dançar ou que dançam mais ou menos. A gente sempre consegue se entender e conseguimos nos divertir. Não viemos aqui para fazer uma performance, mas para interagir”, garante o forrozeiro francês.

 

Com a crise do coronavírus, o número de participantes nos bailes de forró da Praça de República de Paris diminuiu em relação aos anos anteriores, mas não a animação da festa.

Todo mundo dança agarradinho, mas ninguém usa máscara.

Os dançarinos justificam que o baile é ao ar livre (o uso de máscaras é obrigatório na França, por enquanto, apenas nos locais públicos fechados) e a descontração da dança brasileira prevalece.

“Dá para começar dançando forró sozinho, mas terminar sozinho não dá!”, confirma o professor Gilmair.

Fonte: RFI

Aae51501637a8d8c

MAIS NOTÍCIAS

Pluralismo da mídia se reduz na Europa, conclui monitor da União Europeia

ONU defende renda básica para um terço da população do planeta

Fotografia: confira o que foi destaque no mundo nesta quinta-feira (23) 

Com inteligência artificial, Renner quer "prever" venda de produtos​

Saiba quais são os planos das empresas para a retomada do trabalho no pós-pandemia

Comércio digital ganha 5,7 milhões de consumidores e varejo diz que eles vieram para ficar

Máscaras chinesas vendidas no Brasil podem ser fruto de trabalho forçado de minorias étnicas

Flávio Rocha: como a Riachuelo planeja criar um “superApp de moda”

Covid-19: tratamento com proteína inalável pode reduzir mortes

Viseira não substitui máscara na proteção contra Covid-19, afirmam autoridades europeias

Cultura do Cancelamento: o que revela o 'sinal de OK' retratado nas redes como racista

Franceses fazem "corrida maluca" por testes de Covid-19 para conseguirem viajar nas férias

Turismo nacional dá sinais de recuperação nas classes C, D e E

'Parecia que eu estava morrendo': a ilha onde mulheres são sequestradas para se casarem

Brasil participa de consórcio mundial para combate à covid-19

QuintoAndar: startup imobiliária quitou R$ 50 milhões em atraso de aluguéis de inquilinos

Brasil é admitido como observador no Fórum Internacional de Transporte

Guedes entrega hoje ao Congresso proposta de reforma tributária

Daniela Cachich, da Pepsoco Foods, explica como é o bom marketing social: “Consistente e coerente”

Vacina de Oxford é segura e induz imunidade, dizem cientistas após testes

Pesquisa Setur/Bahia: pandemia fechou 85% das empresas de turismo no estado​

Ambulantes oficiais de SP voltam a trabalhar nesta segunda-feira

Disney se junta ao boicote contra o Facebook e Instagram

Grupo de "sovinas" liderados pela Holanda quase enterra cúpula da União Europeia

BNDES lança plano de estímulo à aposentadoria

Redução de voos durante pandemia levou a previsões do tempo menos precisas

Estudo projeta redução de áreas de produção de arroz e feijão

Editorial da Folha de São Paulo: JUSTIÇA SEM CENSURA

Barcelona retoma quarentena após novos contágios

Forte suspeita de fogo posto na catedral de Nantes; veja reportagem da Euronews

Astrônomos encontram buraco negro 19 milhões de vezes maior que Sol

EUA: Departamento de Justiça executa 3º prisioneiro em 1 semana após hiato de 17 anos

Grande incêndio toma conta de catedral de Nantes, na França; veja vídeos

Estes são os novos emojis que chegarão neste ano no Android e iOS

OMS: coronavírus se estabilizou no Brasil, mas ainda não há queda sustentada

Turismo pós-pandemia em Salvador: agência baiana aposta na ‘saudade’ para retomada 

Coreia do Sul aprova teste de remédio de anticorpos contra covid-19

Google lança tradutor de hieróglifos baseado em inteligência artificial

São Paulo: mercado imobiliário aponta melhora nas vendas e fala em retomada em ‘V’

O sol como você nunca viu: imagens são as mais próximas obtidas da estrela

Câmara aprova auxílio de R$ 600 para atletas e profissionais do esporte

IBGE: pandemia fecha 39,4% das empresas que suspenderam atividades; veja pesquisa

Reino Unido, EUA e Canadá acusam Rússia de tentar roubar dados da vacina para Covid-19​

Decreto proíbe queimadas em todo o Brasil por 120 dias

Competição: 1º Desafio Brasileiro de Inovação em Turismo para startups

Senado aprova MP sobre reembolso e remarcação de voos

Startup japonesa cria máscara inteligente que traduz até 8 idiomas

Brasil deve encolher e deverá ter só 165 milhões de habitantes até o fim do século

Jornais de avião indiano que caiu em 1966 'reaparecem' nos alpes franceses

Fase 1 de testes mostra que vacina para coronavírus é segura e induz resposta imunológica

Justiça de São Paulo declara falência da Avianca Brasil

Dinamarca abre o 1º Museu da Felicidade do mundo

Deficiência em proteína pode estar por trás de casos graves de Covid-19