• F9fb45c18d8bfc00
  • 117370fc98312d4c
  • 5b7ad8a92a7264b8
25 de Outubro de 2020

Icone show tema livreTema Livre

Edição: Hugo Julião
18:55
21/07/2020

Cultura do Cancelamento: o que revela o 'sinal de OK' retratado nas redes como racista

No último dia 3 de junho, o americano Emmanuel Cafferty, de 47 anos, voltava para casa depois de mais um dia de trabalho.

Sua rotina era passar entre 8 e 12 horas diárias em inspeções na rede subterrânea de gás e eletricidade da cidade de San Diego, na Califórnia.

Era fim de tarde e fazia calor. Ao volante da caminhonete da empresa, ele mantinha a janela aberta, com o braço esquerdo para fora.

Segundo Cafferty, ele estalava as juntas dos dedos da mão esquerda distraidamente, o polegar alongando os demais dedos em direção à palma da mão, um gesto que repetiu algumas vezes durante a entrevista com a BBC News Brasil.

"Foi nesse momento que um homem desconhecido, com um celular e uma conta de Twitter, virou minha vida de cabeça pra baixo", contou Cafferty.

Fazia apenas uma semana que George Floyd, um homem negro e desarmado, havia sido morto por um policial branco em Minneapolis.

As imagens do assassinato de Floyd causaram o que tem sido considerada a maior onda de protestos populares contra o racismo nos Estados Unidos.

Nesse contexto, o estalar de dedos de Cafferty acabou interpretado por um motorista de outro veículo como um gesto específico, um símbolo usado por movimentos supremacistas brancos.

"Esse homem começou a buzinar e me xingar. Ele gritava: "Você vai continuar fazendo isso?" E sacou o celular para fotografar.

Achei que eu talvez tivesse fechado ele no trânsito, por acidente. Mas estávamos os dois parados no semáforo, eu não estava entendendo nada", relata Cafferty.

Duas horas após o incidente, seu supervisor telefonou para dizer que ele havia sido denunciado como racista nas redes sociais e estava sendo suspenso do trabalho, sem vencimentos.

Uma hora mais tarde, seus colegas chegaram à sua casa para levar a caminhonete e o computador da empresa embora. Cinco dias depois, ele estava demitido.

3cf28e453b4e7ee0

Emmanuel Cafferty comemorou com as filhas e os netos o emprego — que perdeu depois de cancelamento no Twitter (Arquivo Pessoal)

"Foi assim que eu perdi o melhor emprego que já tive na vida", diz Cafferty. Sem faculdade, filho de migrantes mexicanos, ele vivia sua versão do sonho americano.

Ganhava US$ 41 por hora, o dobro do salário de seu emprego anterior, e tinha plano de saúde e de aposentadoria pela primeira vez na vida. Quando conseguiu a vaga, há seis meses, ele, as três filhas e os netos saíram para jantar em comemoração.

 

OK ou supremacia branca?

De acordo com Cafferty, ele não tinha ideia que o gesto a ele atribuído, comumente associado a "OK" nos Estados Unidos, pudesse ter conotação racista.

De acordo com a Anti-Defamation League, uma organização centenária que combate discursos de ódio, o símbolo de "OK" foi adotado em 2017 por usuários racistas em fóruns online como o 4chan. A própria organização recomenda cuidado na interpretação do sinal.

"Na esmagadora maioria das vezes, o gesto significa consentimento ou aprovação. Por isso, não se pode presumir que alguém que faça o gesto o esteja usando em um contexto de racismo, a menos que exista outra evidência contextual para apoiar esse entendimento. Desde 2017, muitas pessoas foram falsamente acusadas de ser racistas ou supremacistas brancas por usarem o gesto no seu sentido tradicional e inócuo", alerta a organização.

É exatamente o que teria acontecido a Cafferty. Ou pior. "No meu caso, nem era um símbolo, só estava estalando os dedos. Mas um homem branco interpretou como um gesto parecido com OK, que seria racista e disse isso a meus chefes, também brancos, que decidiram acreditar nele, não em mim, que não sou branco", afirmou exasperado, enquanto esfregava os braços para mostrar a cor de sua pele.

 

O autor da fotografia e do primeiro post contra Cafferty admitiu à equipe local da emissora americana NBC que pode ter exagerado na interpretação que fez do suposto gesto e que, apesar de ter marcado a empresa em que Cafferty trabalhava em seu post, não queria que ele fosse demitido.

O usuário apagou a mensagem original e a própria conta de Twitter. Mas já era tarde, o post havia viralizado, o emprego estava perdido. A BBC News Brasil não conseguiu localizar o autor do primeiro post.

"Uma multidão de Twitter me cancelou. Já liguei para todos os meus ex-empregadores nessas seis semanas desde que aconteceu o episódio e ninguém me retorna. A primeira coisa que um empregador faz na hora de contratar é jogar seu nome no Google. O meu ficou ligado a esse episódio, não importa se estou certo ou não. Não sei como vou seguir a vida daqui pra frente", desabafa.

Ele tem tido que fazer terapia semanalmente para lidar com a dor e o medo que tem sentido.

970d41882de6364f

Multidão online, efeitos offline

O caso de Cafferty é emblemático do que tem sido considerado um efeito colateral perigoso da cultura do cancelamento.

O movimento começou, há alguns anos, como uma forma de chamar a atenção para causas como justiça social e preservação ambiental, uma maneira de amplificar a voz de grupos oprimidos e forçar ações políticas de marcas ou figuras públicas.

Funciona assim: um usuário de mídias sociais, como Twitter e Facebook, presencia um ato que considera errado, registra em vídeo ou foto e posta em sua conta, com o cuidado de marcar a empresa empregadora do denunciado e autoridades públicas ou outros influenciadores digitais que possam amplificar o alcance da mensagem. É comum que, em questão de horas, o post tenha sido replicado milhares de vezes.

A cascata de menções a uma empresa costuma precipitar atitudes sumárias para estancar o desgaste de imagem, sem que a pessoa sob ataque possa necessariamente se defender amplamente.

"No meu caso, eles me ouviram uma vez e logo já me demitiram. Fica parecendo que concluíram que eu era racista mesmo", afirma Cafferty.

A BBC News Brasil procurou a empresa SDG&E, onde ele trabalhava, mas não obteve retorno até a conclusão desta reportagem.

Em resposta às denúncias de usuários contra Cafferty no Twitter, a empresa afirmou que "acredita firmemente que não há espaço na sociedade para discriminação de qualquer tipo" e que havia iniciado uma investigação sobre a conduta do funcionário".

O cancelamento é mais do que a trollagem típica de internet, eventualmente com insultos coordenados, frequente em disputas de opinião entre usuários das redes.

É um ataque à reputação que ameaça o emprego e os meios de subsistência atuais e futuros do cancelado. Extremamente frequente nos Estados Unidos, ela hoje abate anônimos, gente comum como Cafferty.

"Você pode ser cancelado por algo que você disse em meio a uma multidão de completos estranhos se um deles tiver feito um vídeo, ou por uma piada que soou mal nas mídias sociais ou por algo que você disse ou fez há muito tempo atrás e sobre o qual há algum registro na internet. E você não precisa ser proeminente, famoso ou político para ser publicamente envergonhado e permanentemente marcado: tudo o que você precisa fazer é ter um dia particularmente ruim e as consequências podem durar enquanto o Google existir", definiu o colunista do The New York Times Ross Douthat em uma coluna sobre cancelamento há alguns dias.

 

O fenômeno acontece também no Brasil, mas frequentemente tem como alvo famosos. Um exemplo recente de cancelamento foi o da blogueira Gabriela Pugliesi.

Depois de postar imagens de uma festa que deu em sua casa, em abril, em meio a uma quarentena por conta da epidemia de coronavírus, uma multidão online passou a cobrar as marcas que a patrocinavam para que rescindissem os contratos de publicidade com ela.

Pugliesi perdeu pelo menos cinco contratos e seu prejuízo teria superado os R$ 2 milhões.

 

Injustiças no movimento por justiça social?

O alcance da cultura do cancelamento nos Estados Unidos tem gerado questionamentos sobre a possibilidade de que injustiças sejam cometidas.

Cafferty não é um caso único. No fim de maio, um pesquisador contratado por uma consultoria política progressista compartilhou no Twitter o resultado de um estudo que indicava que, nos anos 1960, protestos raciais violentos aumentavam o percentual de votos em candidatos republicanos, enquanto atos pacíficos favoreciam políticos democratas nas urnas.

Ativistas consideraram que seu comentário era uma reprimenda aos atos pela morte de George Floyd e passaram a exigir sua demissão. O pesquisador foi demitido dias mais tarde.

 

No último mês, uma professora de teatro em Nova York foi acusada de ter cochilado durante uma reunião online para tratar de ações por justiça racial no curso.

Uma petição assinada por quase duas mil pessoas pede sua demissão, acusando-a de racista. A professora nega e alega que apenas descansava as vistas olhando momentaneamente para baixo quando a foto foi feita.

 

No começo de junho, um migrante palestino, dono de uma rede de padarias que emprega 200 pessoas em Minnesota, se tornou alvo depois de serem encontrados — e divulgados — na internet posts racistas e antissemitas de sua filha, adolescente quando os escreveu.

Apesar de ter demitido a filha, hoje adulta, da empresa, seus compradores cancelaram os contratos e ele perdeu linhas de crédito. O negócio pode não sobreviver.

 

Diante do que qualificaram como "atmosfera sufocante", um grupo de 150 jornalistas, intelectuais, cientistas e artistas, considerados progressistas, resolveu publicar, na Harper's Magazine, há duas semanas, um texto intitulado "Uma carta sobre Justiça e Debate Aberto".

Assinada por nomes de peso, como o linguista Noam Chomsky, os escritores J.K. Rowling e Andrew Solomon, a ativista feminista Gloria Steinem, a economista trans Deirdre McCloskey, e o cientista político Yascha Mounk, a carta afirma que "a livre troca de informações e ideias, força vital de uma sociedade liberal, tem diariamente se tornado mais restrita. Enquanto esperávamos ver a censura partir da direita radical, ela está se espalhando também em nossa cultura: uma intolerância a visões opostas, um apelo à vergonha pública e ao ostracismo e a tendência de dissolver questões políticas complexas com uma certeza moral ofuscante".

6548c14926bc8f9d

Acusada de transfobia, JK Rowling assinou carta contra a cultura do cancelamento (Reuters)

Na mesma toada, uma das editoras de opinião do jornal The New York Times, Bari Weiss, se demitiu essa semana por meio de uma carta aberta, na qual acusa a publicação de promover um "novo macartismo", em referência à patrulha ideológica anticomunista dos anos 1950 nos Estados Unidos.

"Artigos publicados com facilidade há apenas dois anos, agora colocariam um editor ou autor em apuros. Isso se ele não for demitido. Se um texto é percebido como provável fonte de reação interna ou nas mídias sociais, o editor sequer o publica", escreveu Weiss, contratada pelo New York Times pouco depois da eleição de Trump em 2016, em um esforço para amplificar a diversidade de vozes no diário.

 

A demissão de Weiss acontece semanas após a de seu chefe, James Bennet, que optou por publicar um artigo do senador republicano Tom Cotton que defendia o uso do Exército americano para reprimir as manifestações pelos direitos dos negros.

O artigo foi considerado "fora dos padrões" pelo New York Times.

 

Em um artigo para a revista The Atlantic, em que cita o caso de Cafferty, o cientista político Yascha Mounk explica porque assinou o manifesto.

Mounk aplaude o que chama de "nova determinação americana" para desenraizar preconceitos da sociedade.

"No entanto, seria um erro enorme, especialmente para aqueles que se importam com justiça social, considerar o que aconteceu com Cafferty como um detalhe menor ou o preço a ser pago pelo progresso", escreveu Mounk.

 

A resposta à carta dentro do movimento progressista não tardou.

Um grupo de jornalistas, artistas e intelectuais acusou os autores da primeira carta de, do alto de seu sucesso profissional e posição confortável no mercado, ignorar as dificuldades de minorias, como negros e população LGBT, no debate público no mundo acadêmico, nas artes, no jornalismo, no mercado editorial.

"Os signatários, muitos deles brancos, ricos e dotados de plataformas enormes, argumentam que têm medo de ser silenciados, que a chamada cultura do cancelamento está fora de controle e que eles temem por seus empregos e pelo livre intercâmbio de ideias, ao mesmo tempo em que se manifestam em uma das revistas de maior prestígio do país", afirmam os signatários do novo documento, intitulado "Uma carta mais específica sobre Justiça e debate aberto". Alguns dos apoiadores do texto preferiram ficar anônimos, citando apenas a instituição em que trabalham, por medo de represálias.

 

Os autores citam ainda nominalmente alguns de seus antagonistas: mencionam que J.K. Rowling esteve recentemente envolvida em um debate sobre a palavra "mulher".

Ao comentar um texto que mencionava "pessoas que menstruam", ela afirmou: "Se sexo biológico não é real, a realidade vivida por mulheres globalmente é apagada. Eu conheço e amo pessoas trans, mas apagar o conceito de sexo (biológico) remove a capacidade de muitas pessoas discutirem o significado de suas vidas. Falar a verdade não é discurso de ódio".

Sua afirmação foi considerada transfóbica e duramente criticada. Os autores da segunda carta dizem ainda que negros e trans que assinaram a primeira carta serviram como álibi para os brancos signatários não serem considerados racistas.

 

A disputa política em torno da questão deve ser longa e aguerrida. Alheio à ela, Cafferty tenta recuperar seu emprego.

Ele está processando a empresa onde trabalhava e o homem que o fotografou, mas não há expectativa de que haja uma veredicto para a questão em menos de um ano.

Cafferty se diz simpático aos movimentos por justiça racial, mas afirma nunca ter tido qualquer atuação política ao longo da sua vida. "Nem conta de Twitter eu tinha até ser cancelado", diz.

Fonte: BBC News

D47b62d5b1ad13eb

MAIS NOTÍCIAS

Brasil participa de consórcio mundial para combate à covid-19

QuintoAndar: startup imobiliária quitou R$ 50 milhões em atraso de aluguéis de inquilinos

Brasil é admitido como observador no Fórum Internacional de Transporte

Guedes entrega hoje ao Congresso proposta de reforma tributária

Daniela Cachich, da Pepsoco Foods, explica como é o bom marketing social: “Consistente e coerente”

Vacina de Oxford é segura e induz imunidade, dizem cientistas após testes

Pesquisa Setur/Bahia: pandemia fechou 85% das empresas de turismo no estado​

Ambulantes oficiais de SP voltam a trabalhar nesta segunda-feira

Disney se junta ao boicote contra o Facebook e Instagram

Grupo de "sovinas" liderados pela Holanda quase enterra cúpula da União Europeia

BNDES lança plano de estímulo à aposentadoria

Redução de voos durante pandemia levou a previsões do tempo menos precisas

Estudo projeta redução de áreas de produção de arroz e feijão

Editorial da Folha de São Paulo: JUSTIÇA SEM CENSURA

Barcelona retoma quarentena após novos contágios

Forte suspeita de fogo posto na catedral de Nantes; veja reportagem da Euronews

Astrônomos encontram buraco negro 19 milhões de vezes maior que Sol

EUA: Departamento de Justiça executa 3º prisioneiro em 1 semana após hiato de 17 anos

Grande incêndio toma conta de catedral de Nantes, na França; veja vídeos

Estes são os novos emojis que chegarão neste ano no Android e iOS

OMS: coronavírus se estabilizou no Brasil, mas ainda não há queda sustentada

Turismo pós-pandemia em Salvador: agência baiana aposta na ‘saudade’ para retomada 

Coreia do Sul aprova teste de remédio de anticorpos contra covid-19

Google lança tradutor de hieróglifos baseado em inteligência artificial

São Paulo: mercado imobiliário aponta melhora nas vendas e fala em retomada em ‘V’

O sol como você nunca viu: imagens são as mais próximas obtidas da estrela

Câmara aprova auxílio de R$ 600 para atletas e profissionais do esporte

IBGE: pandemia fecha 39,4% das empresas que suspenderam atividades; veja pesquisa

Reino Unido, EUA e Canadá acusam Rússia de tentar roubar dados da vacina para Covid-19​

Decreto proíbe queimadas em todo o Brasil por 120 dias

Competição: 1º Desafio Brasileiro de Inovação em Turismo para startups

Senado aprova MP sobre reembolso e remarcação de voos

Startup japonesa cria máscara inteligente que traduz até 8 idiomas

Brasil deve encolher e deverá ter só 165 milhões de habitantes até o fim do século

Jornais de avião indiano que caiu em 1966 'reaparecem' nos alpes franceses

Fase 1 de testes mostra que vacina para coronavírus é segura e induz resposta imunológica

Justiça de São Paulo declara falência da Avianca Brasil

Dinamarca abre o 1º Museu da Felicidade do mundo

Deficiência em proteína pode estar por trás de casos graves de Covid-19

Luan Santana demite funcionários por conta da crise em meio à pandemia

Suprema Corte dos EUA permite retomada de execuções federais​

Nova gasolina se torna obrigatória em agosto e deve ser mais cara

Aproximando Distâncias: projeto da Gol objetiva valorizar a cultura; vale a pena conhecer, veja vídeo

Fome afeta 690 milhões, equivalente a 8,9% da população mundial, segundo relatório da ONU

Governo zera tarifas de 34 medicamentos usados no combate à covid-19

Pandemia faz venda de comestíveis de maconha dispararem nos Estados Unidos

3 tipos de lojas de varejo que sobreviverão às mudanças do mundo pós-pandemia

Estatuto da Criança e do Adolescente completa 30 anos

Para ONU e OEA, projeto de fake news contraria acordos

Papa Francisco está "muito aflito" com a conversão da basílica de Santa Sofia em mesquita

Estadão e StartSe realizam curso gratuito de empreendedorismo

‘Lua dos Cervos’ retratada em fotos espetaculares

Roberto Cabrini: médica Nise, que defende o uso da hidroxicloroquina, é suspensa de hospital; veja vídeo

Turismo no pós-covida: viagens curtas e em família, simplicidade e o fim do materialismo

Pânico em Washington: míssil apocalíptico chinês pode atingir EUA em apenas 30 minutos

Mudança na lei deve atrair China e França para negócios de água no Brasil

Sudão criminaliza mutilação genital feminina

Prova de vida de aposentados e pensionistas é suspensa até setembro

Estudo com 17 milhões de pessoas confirma grupos de risco da Covid-19

Confiança da indústria mantém recuperação, revela CNI

Escola do YouTube? Rede terá curso online para quem quer produzir conteúdo

Catedral de Notre-Dame de Paris deve ser reconstruída de forma idêntica

CBF publica calendário revisado da temporada 2020

Ar-condicionado portátil e vestível da Sony chega ao mercado

ONU ALERTA: pandemia pode ampliar fome e jogar 49 milhões na pobreza extrema

Influenciadores acima dos 50 anos mostram que não há idade para se reinventar

Coronavírus: por que o Brasil não realiza testagem em massa?

Iniciativas solidárias ajudam comunidades que viviam do turismo


Moderna relata avanços em estudos de vacina contra covid-19 e já fala em fase 3

Renault oficializa volta de Fernando Alonso à Fórmula 1 em 2021

Segundo relator da ONU, PL das fake news avança rápido sem considerar privacidade​

As 10 profissões mais procuradas do mundo​

58% dos brasileiros estão preocupados em perder o emprego

Aos 61 anos, Madonna posa seminua no banheiro de sua mansão

PF realiza operação para apurar suspeita de corrupção no Hospital de Campanha de Aracaju

Caso suspeito de peste bubônica é registrado na China, após surto ser reportado na Mongólia

Frida Kahlo: a história de vida da pintora representada em 6 imagens

'Bêbados não cumprem distanciamento social', diz associação policial após bares reabrirem na Inglaterra​

Mercado passa a ver contração de mais de 8% da indústria este ano

Ameba 'comedora de cérebro': caso de infecção na Flórida gera alerta nos EUA​

Mundo paralelo criado pelo artista 3D Paul Milinski é um refúgio de serenidade; veja

ONU diz que 57,6 milhões de africanos estão em situação crítica de alimentos​

Catedral reabre com Jesus negro em pintura de Última Ceia no Reino Unido​