• C7254ed4360408af
  • Cbdafb20fcfaf460
05 de Julho de 2020

Icone show tema livreTema Livre

Edição: Hugo Julião
19:45
23/06/2020

Uma breve história das máscaras faciais médicas

Se você se encontrava em Nápoles do século 17, passou por um período difícil. A Praga de 1656 estava em pleno andamento e ceifaria cerca de 300.000 vidas na cidade.

Se você foi uma das almas infelizes a sofrer de bubões e febre alta, sintomas da doença, uma visita ao médico da peste poderia ser necessária.

O uniforme dos médicos da peste não inspirava exatamente uma sensação de tranquilidade.

Eles usavam um sobretudo de couro da cabeça aos pés, além de luvas de couro, calças, botas e um chapéu de abas largas (imagine tudo isso no verão napolitano).

Por Sarah Durn | Escritora, atriz e medievalista freelancer, baseada em Nova Orleans, Louisiana

A42bc722a74096f4

Um médico usando uma cobertura contra pragas do século 17 (Ilustração: Coleção Wellcome)

Os médicos sempre estavam com uma vara que, junto com o resto do traje, indicava a profissão e poderia ser usada para cutucar os pacientes.

Todo o traje era modelado como a armadura de um soldado. Apropriado, se você considerar que muito mais pessoas morreram de peste do que de guerra durante o século 17.

De longe, a parte mais assustadora do traje era a máscara de bico longo. A máscara tinha óculos de vidro grosso e dois pequenos orifícios no bico. O bico era recheado com palha e ervas aromáticas, como hortelã, mirra, pétalas de rosa, cravo, cânfora, entre outras.

O equipamento facial do médico da peste marca um momento importante na história das máscaras médicas.

O bico, desenvolvido pelo médico francês Charles de Lorme, foi um dos primeiros revestimentos faciais projetados para diminuir a propagação de doenças.

D3af06358f699488

Gravura em cobre do Dr. Schnabel, um médico da peste na Roma do século 17, com um poema satírico (‘Vos Creditis, als eine Fabel / quod scribitur vom Doctor Schnabel’) em dísticos rítmicos octosilábicos (Domínio público)

A máscara de bico, infelizmente, não foi muito eficaz. De Lorme a desenvolveu com base na agora defunta teoria miasmática, uma ideia que remonta à Grécia antiga.

A teoria sustentava que odores desagradáveis ou “ar ruim”, como aquele de carcaças apodrecidas ou alimentos, causavam doenças.

Durante o século 18, as pragas do passado desapareceram, assim como o uso de máscaras. No início dos anos 1700, o bico ocasionalmente ainda podia adornar um médico que inspecionava navios em quarentena, mas, na maioria das vezes, os médicos não usavam máscaras.

As pessoas do século 18 (e mesmo Plínio, o Velho, e Leonardo da Vinci) entendiam que a inalação de certas partículas e poeira transportadas pelo ar poderia ser prejudicial.

Isso acabou levando o oficial de mineração da Prússia Alexander von Humboldt a inventar um respirador para mineiros em 1799.

E3dfc8a23b27a142

Wotton Lodge, Gloucester: sala de operações e equipe (Foto:Wellcome Collection)

Através do século 19, os médicos continuaram sem usar máscaras, enquanto os trabalhadores das fábricas eram incentivados a usá-las para ajudar a filtrar o ar cheio de partículas.

Em uma fábrica irlandesa de fiação de linho, os trabalhadores usavam uma “máscara de crepe”. Mas quando o médico e escritor britânico Benjamin Ward Richardson visitou a referida fábrica, ele não viu uma máscara à vista.

Em seu livro On Health and Occupation [Sobre Saúde e Ocupação], ele resume por que o uso de máscaras não decolou no século 19.

“A ciência […] é conquistada pelo livre arbítrio”, escreveu ele, observando que até que as pessoas percebam sua “utilidade”, a máscara facial “terá que esperar”. E assim, a máscara esperou.

Em 1897, o cirurgião francês Paul Berger se tornou um dos primeiros cirurgiões a usar máscara facial durante uma operação.

Berger estava familiarizado com o trabalho do bacteriologista alemão Carl Flügge, que descobriu que a saliva poderia conter bactérias causadoras de doenças.

Berger, sendo um cara esperto, imaginou que cuspir no abdômen aberto de um paciente durante a cirurgia provavelmente não era uma ótima idéia.

A máscara de Berger era amarrada acima do nariz e feita de seis camadas de gaze, e a borda inferior era costurada no topo de seu avental de linho esterilizado. (Ele tinha uma barba maneira para proteger).

Em 22 de fevereiro de 1899, Berger leu um artigo, “Sobre o uso de uma máscara na operação”, perante a Sociedade Cirúrgica de Paris. A recepção não foi exatamente agradável.

Na discussão que se seguiu à palestra de Berger, um tal Monsieur Terrier zombou da proposta, dizendo: “Eu nunca usei uma máscara e, certamente, nunca usarei”.

Ba67e7d9e6598eb7

Fotografia que descreve como a máscara de gaze e algodão deve ser usada (Foto: Wellcome Library)

Levaria décadas para os médicos começarem a usar máscaras faciais. Em um artigo de 1905 para o Journal of American Medical Association, a médica Alice Hamilton documenta a falta de máscaras usadas durante cirurgias, mesmo em escolas médicas inovadoras.

Ela escreve: “Me foi dito por um estudante de uma grande faculdade de medicina em Chicago que ele havia notado frequentemente nas clínicas de um certo cirurgião que, quando a luz vinha de uma certa direção, ele podia ver, de seu assento no anfiteatro, um spray contínuo de saliva saindo da boca do cirurgião enquanto ele discursava para a turma e conduzia sua operação”.

Claramente, aquele cirurgião não tinha as mesmas preocupações que Berger.

Um ano após o artigo de Hamilton, o médico britânico Berkeley Moynihan publicou um dos primeiros livros didáticos que defendia o uso de máscaras faciais.

Em seu livro de 1906, Abdominal Operations, Moynihan conclui (em uma metáfora de revirar o estômago) que a bactéria expelida da boca de uma pessoa é “pior que o pior esgoto de Londres”. A não ser que o cirurgião, os assistentes e qualquer pessoa próxima fiquem absolutamente calados, eles definitivamente devem usar máscaras.

Mais pra frente no livro, ele condena os médicos que trabalham sem máscaras, escrevendo: “é costume entre os não iluminados zombar das precauções necessárias tomadas por quem pratica cirurgia asséptica; o significado da palavra ‘assepsia’ é esquecido.”

Foram necessários mais cinco anos, uma praga do século 20 e um médico corajoso para começar a popularização da máscara.

Depois de causar a primeira morte em 1910, o número de vítimas mortais da praga da Manchúria aumentaria para 60.000 nos quatro meses seguintes.

O médico de 31 anos de idade, educado em Cambridge, Wu Lien Teh chegou ao epicentro do surto na cidade de Harbin, no nordeste da China. Wu exigia que todos os médicos, enfermeiros e até funcionários do cemitério usassem máscaras faciais.

20e620c8783cd7f6

Precauções tomadas em Seattle, Washington, durante a pandemia da “gripe espanhola”. Não era permitido que ninguém andasse de bonde sem usar máscara. 1918 (Foto: Domínio Público)

Na época, a comunidade médica ridicularizou Wu pela iniciativa. Um proeminente médico francês que trabalhava com Wu na Manchúria foi contra o pedido de usar máscara. Ele morreu dias depois por causa da doença.

Wu é um dos responsáveis pela importância que as máscaras ganharam durante a epidemia de gripe espanhola de 1918. Forças policiais, trabalhadores médicos e até moradores em algumas cidades dos EUA foram obrigados a usar máscaras faciais.

Embora os médicos geralmente concordassem com a utilidade das máscaras, ainda havia muita experimentação com seu formato. Durante as primeiras décadas do século 20, foram emitidas patentes de vários estilos de máscaras. Geralmente, as máscaras eram feitas de gaze de algodão e mantidas no lugar com uma armação de metal.

As máscaras descartáveis ​​modernas cresceram em popularidade na década de 1960 e, em 1972, a máscara respiratória N95 foi inventada, tornando-se um padrão de assistência médica em epidemias em 1995.

A história das máscaras é, sob muitos aspectos, uma história da epidemiologia.

Enquanto os médicos da peste do século 17 certamente tinham um visual assustador, o sobretudo de couro e a máscara de pássaro inventada por de Lorme não impediram ninguém de contrair a praga.

A transição da teoria miasmática para a germinal foi lenta, mas já em 1800 havia uma compreensão da utilidade das máscaras faciais nas fábricas.

O mundo da medicina foi muito mais lento para adotar a inovação. Por quase 50 anos, os médicos lutaram contra o uso de máscaras, até que a praga da Manchúria se tornou um campo de testes letal para provar a importância delas.

É uma prova da necessidade não apenas de inovações como a máscara, mas também de mudar a opinião pública. Se a máscara tivesse sido adotada mais rapidamente, inúmeras vidas poderiam ter sido salvas.

F808d4ed12945248

MAIS NOTÍCIAS

Reels é a nova tentativa do Instagram de fazer com o TikTok o mesmo que com o Snapchat

Grande terremoto atinge sul do México e provoca tsunami no Pacífico​

Echo Studio: alto-falante inteligente potente da Amazon chega ao Brasil por R$ 1.499​

Testes com vacina de Oxford contra Covid-19 começam em SP​

Franceses desafiam medidas de restrição e caem na festa; veja reportagem

 XP lança Xpeed School - educação financeira e empreendedorismo à distância​

Apostas esportivas poderão ser transferidas para iniciativa privada​

Por dentro do plano do bilionário Robert Smith por justiça econômica e racial nos EUA​

 

Alienígenas estão coletando partículas do Sol, garante ufólogo; fotos

Espanha reabre suas fronteiras e encerra estado de emergência​

Concursos públicos oferecem 9.737 vagas com salários de até R$ 18,7 mil

Humor | Depois de '...E o Vento Levou', contextualizem o mundo todo, por favor​

Com a marca OMO, Unilever estreia em franquias de lavanderias no Brasil​

Faturamento do turismo no Brasil desaba 55,4% em abril, pior resultado da série histórica​

Percorrer cidades turísticas de carro é opção em tempos de quarentena; experimente

Pesquisa indica que tipo sanguíneo interfere no risco de ter Covid-19​

Via Láctea pode ter até seis bilhões de planetas semelhantes à Terra

Casa futurista tem apenas 24,4 metros quadrados e abriga confortavelmente 4 pessoas

Como a Covid-19 impulsionou um império norte-americano de campings

Catar pretende inaugurar outros 2 estádios da Copa até o fim deste ano

Oxford: pesquisa vê dexametasona como grande avanço para tratamento da Covid-19​

Covid-19: vacina da AstraZeneca deve imunizar por 1 ano, diz presidente da empresa

Cientistas sugerem existência 36 civilizações inteligentes na Via Láctea​

Sebrae vai orientar pequenos negócios na retomada das atividades​

WhatsApp lança recurso de pagamento pelo aplicativo; Brasil é o primeiro com a novidade​

Turismo na pós-pandemia: viagens serão de carro, para destinos próximos​

 Anonymous Camera: aplicativo do iPhone esconde rosto, corpo e disfarça a voz

Golpes virtuais disparam com covid-19​

Bob Dylan fala sobre mortalidade, inspiração, pandemia e seu novo álbum​

Escavação da tumba de Tutancâmon: fotos tiradas em 1922 ganham cor​

Derrubando estátuas, regredimos às guerras religiosas do século 16​

Racismo, passado e futuro

Johnson & Johnson anuncia antecipação de testes com vacina contra Covid-19

Número de MEIs cresce em Sergipe durante a crise​

Europa teme 2ª onda precoce do coronavírus após protestos em massa​

Lenço aprovado pela Anvisa ajuda a combater novo coronavírus​

Comportamento do coronavírus na Ásia intriga cientistas​

Como a pandemia afeta o presente e o futuro das startups brasileiras​

Teletrabalho ganha força durante pandemia; até abril, 59 países já haviam adotado​

Manifestantes voltam a tomar ruas de Hong Kong​

Inmetro muda revisão obrigatória de taxímetros e reduz burocracia​

Assista à Terra girando em movimento de rotação em timelapse centralizado no céu

OMS diz que houve mal-entendido e que assintomáticos podem transmitir o vírus​

São Paulo: comércio de rua deve reabrir nesta quarta-feira (10) e shoppings na quinta​

Estreia do programa Circuito Off Conexões com entrevista de Tiago Abravanel; veja​

CONEXÃO TURISMO | Edição de 09 de junho​

Companhias já aderem ao home office permanente

Galaxy A11 e Galaxy A21s chegam ao Brasil com preços a partir de R$ 1.699​

Rio de Janeiro: Justiça suspende flexibilização do Estado e da Prefeitura​

IBM se une a centros de pesquisa para acelerar combate à Covid-19 no Brasil

Arábia Saudita nomeia pela primeira vez 53 mulheres no cargo de juízas​

Twitter e Facebook apagam post de Trump por infringir direitos autorais​

7 fatos sobre a Gripe Espanhola no Brasil​

Diário de oficial nazista revela a localização de tesouro nazista escondido na Polônia​

Os melhores apps do mês para Android e iOS​

O maior e mais antigo monumento da civilização maia é descoberto no México​

Rio de Janeiro reabre shoppings, bares, igrejas, estádios e pontos turísticos​

Com pandemia, Brasil registra abertura de mais de uma loja virtual por minuto

Latam pode demitir 700 pilotos no Brasil, Gol fecha acordo e Azul vê dias difíceis

Veja como os restaurantes estão reabrindo em alguns países

Como funcionarão os testes da vacina de Oxford contra a Covid-19 no Brasil

Autores de estudo publicado na Lancet contra a hidroxicloroquina retiram artigo​

Como Dinamarca e vizinhos nórdicos lidam com a reabertura pós-pandemia​

Despesas com juros do cheque especial podem cair R$ 7,2 bi em 12 meses

Três em cada quatro hotéis brasileiros devem retomar atividades em junho e julho​

Sergipanas recorrem mais que os homens ao ambiente digital para fazer negócios​

O novo mundo dos eventos de negócios

O futuro do cinema: há um cenário pessimista para o pós-pandemia​

Três empresas aéreas regionais anunciam retomada de voos no país​

10 livros intensos e envolventes para você ler rapidinho

"Supera Turismo Brasil": conheça o movimento lançado pelo trade turístico nacional​

Gol retoma o serviço de bordo em seus voos; veja também outras notícias do turismo​

O Céu em junho é ideal para observar Mercúrio e o centro da Galáxia; veja calendário​

Coronavírus: a Noruega se pergunta se deveria ter sido mais como a Suécia​

Transposição do São Francisco avança e água deve chegar neste mês ao Ceará​

Flexibilização do confinamento prossegue na Europa; veja reportagem

Alcoolismo feminino: iniciativas virtuais aparecem para ajudar na pandemia​

Covid Dreams: como a pandemia tem influenciado os nossos sonhos

Pandemia pode levar 86 milhões de crianças à pobreza até o final do ano

Luana Piovani fala sobre sexo e admite: ''Já dei muito por educação''​

Estudo mostra marcas mais consumidas do mundo; Coca-Cola lidera pelo 8º ano​

Paraguai e Uruguai: os 2 casos de sucesso no combate ao Covid-19 na América do Sul​

Tratamento com Hidroxicloroquina: Índia apoia uso profilático; França veta uso em hospitais

O que é o teleaborto, que vem crescendo nos EUA durante a pandemia

Michael Levitt, Nobel de Química:"lockdown" mata mais do que salva vidas

Picasso por 100 euros: a mulher que ganhou quadro de R$ 6,1 milhões em rifa

Firjan Senai oferece cursos de aperfeiçoamento para todo o país

Leandro Karnal: "Pelos que rastejam" (muitos gostariam de ter a vida que você tem)​

Os efeitos da Pandemia na maneira como as pessoas usam aplicativos de encontro

Startup que aluga apartamentos por hora explode na quarentena​

9 invenções que foram criadas muito antes do que você provavelmente imagina

Idosos se reinventam com ensino superior e driblam as dificuldades do isolamento

Os 13 livros e as séries que Bill Gates recomenda para 'escapar' de realidade da pandemia

Britânicos que produzem vacina farão testes com 10 mil adultos e crianças​

Latam retoma voos internacionais e 74 nacionais em junho; usuário terá mais flexibilidade

Pesquisa: uma a cada 6 crianças na Espanha teve depressão durante a pandemia​

Pesquisa: home office é aprovado por 80% dos gestores de empresas no país​

Confira as possíveis mudanças em viagens aéreas após a pandemia

Ministério do Turismo divulga cursos a distância gratuitos de instituições públicas

Azul elevará número de voos e destinos em junho

Premiê da Nova Zelândia propõe semana com 4 dias de trabalho para recuperar a economia​

Banco Mundial: pandemia pode empurrar 60 milhões para a extrema pobreza

Hoteleiras caem no ranking das maiores empresas de capital aberto do mundo

Saiba quais são os três setores que provavelmente sumirão por conta do coronavírus

Psiquiatras alertam para 'tsunami' de problemas de saúde mental em meio à pandemia

Descoberta em Marte: novas evidências de rios antigos encontradas no planeta

Drones: a tecnologia a favor da vida, entregando remédios e monitorando aglomerações

Cachorros também passam pela adolescência, diz estudo

O destinos das torres de escritórios após a pandemia

O que se sabe sobre o misterioso avião orbital da Força Aérea dos EUA

Unicef alerta: por restrições à circulação, mais de 6.000 crianças podem morrer por dia no mundo​

ONU: serviços de saúde mental devem ser parte essencial na pandemia; veja vídeo

Sebrae oferece consultorias gratuitas aos empresários

Fotógrafo dedica-se a registrar pessoas que parecem gêmeas, mas nem parentes são

ONU: interrupções em serviços de HIV podem causar 500 mil mortes adicionais por AIDS

Por que ver documentários sobre natureza pode fazer bem à mente na quarentena​

Os segredos da cidade "mais verde" do mundo; São Paulo ocupa surpreendente 5º lugar

Quem ficou com a fortuna bilionária de Hitler?​

Por que o Polo Norte Magnético da Terra está migrando do Canadá para a Rússia​

Retratos da Real Beleza: você é mais bonita do que pensa ser

Fotógrafo brasileiro retrata as mudanças no rosto dos amigos após 3 taças de vinho

Viagem ao Centro da Terra: o buraco mais profundo já cavado na história

Desmatamento na América do Sul está mais lento, segundo a ONU

Imagine a miséria pós-pandêmica das viagens de negócios​

5 pontos para entender o pensamento de Maquiavel

O que será das viagens aéreas após a pandemia do coronavírus​