05 de Dezembro de 2020

Notícias

Redação
18:06
24/10/2020

PCC movimentou R$ 1,2 bilhão por ano com tráfico de drogas

O Primeiro Comando da Capital (PCC) movimentou R$ 1,2 bilhão com o tráfico internacional de drogas por ano – a quantia não inclui os negócios particulares feitos por seus membros e associados.

Os dados constam dos documentos apreendidos na Operação Sharks, que investigou a lavagem de dinheiro da facção entre junho de 2018 e setembro de 2020.

A Justiça de São Paulo decretou ontem, sexta-feira, a prisão de 18 acusados de pertencer à cúpula da estrutura de tráfico de drogas e de lavagem de dinheiro e de comandar as ações da organização criminosa nas ruas.

“Creio que essa será a primeira fase da Lava Jato do PCC”, disse o promotor Lincoln Gakiya, um dos seis que assinam a denúncia contra o grupo.

Operação Sharks - Entre os acusados pelo Ministério Público Estadual (MPE) estão Marcelo Moreira Prado, o Sem Querer; Eduardo Aparecido de Almeida, o Pisca; e Marcos Roberto de Almeida, o Tuta. 

Este permanece em liberdade e é apontado como o atual chefe da facção nas ruas Foto: Ministério Público de São Paulo)

------------

Só uma parte do dinheiro detectado pelos promotores foi movimentado no sistema financeiro – cerca de R$ 200 milhões – por meio de contas bancárias em nomes de laranjas e de empresas fantasmas.

O restante foi mantido em casas-cofre e transportado em carros até ser entregue a doleiros, que remetiam os recursos para o exterior a fim de a facção pagar seus fornecedores de drogas no Paraguai, na Bolívia e no Peru.

A Polícia Civil de São Paulo foi a responsável pela operação Sharks (Reprodução/TV Record)

Esta á primeira vez que o MPE se aproxima da decisão de qualificar o PCC como organização de tipo mafioso, pois esclarece os esquemas de lavagem de dinheiro do grupo, última etapa para que o grupo pudesse ser considerado uma máfia.

“Mostramos que o dinheiro do PCC não fica no Brasil. Ele vai para o exterior”, afirmou o promotor Gakiya.

As investigações do MPE começaram no dia 8 de agosto de 2018, quando foi preso Robson Sampaio de Lima, em São Paulo.

Com ele, os policiais acharam telefones celulares, computadores e drogas. Ali estavam documentos da contabilidade do setor financeiro da facção.

Mais de uma tonelada de cocaína foi apreendida pela Receita Federal e PF no Porto de Santos, SP, em fevereiro (Foto: Divulgação/Receita Federal)

Ao todo, o PCC movimentou no primeiro semestre de 2019 – incluídos todos os esquemas – 15 toneladas de cocaína, que foram transportadas do exterior para São Paulo e Baixada Santista.

A facção passou ainda a atuar na venda de anfetaminas, além de cocaína e maconha. 

Para fazer a distribuição da droga e do dinheiro, a facção montou uma rede de celulares que só se comunicavam entre si.

Nenhum de seus integrantes podia manter em seus telefones contatos com outras pessoas.

Dario Messer (Reprodução/Jornal Nacional)

O esquema do PCC foi afetado pela Operação Câmbio Desligo, da Polícia Federal, em maio de 2018, que investigou entre outros o doleiro Dario Messer. 

Após a ação, o membro da facção Robson Sampaio de Lima ficou em dúvida sobre como continuar a remessa de valores para o exterior. 

O transporte do dinheiro era sempre fracionado. O limite máximo por viagem era de R$ 250 mil.

A promotoria achou anotações sobre a presença de integrantes do PCC em Bulgária, Alemanha, Espanha, Angola e Argentina.

De acusados na Operação Sharks, 8 estão foragidos.

Com informações do Estado de S.Paulo

Compartilhe